Pré-sal promete uma era de supersalários para o Brasil

Descobertas petrolíferas aquecerão demanda por profissionais com elevada especialização

iG Minas Gerais | Jáder Rezende |

Petrobras/Divulgação
Pesquisa. Estudo da Michael Page diz que a cadeia da indústria de petróleo e gás trará boas oportunidades para todas as idades
O primeiro leilão do pré-sal deverá desencadear uma intensa procura por profissionais especializados na área de óleo e gás, com oferta de supersalários, que podem chegar a R$ 50 mil, quase o dobro do vencimento da presidente da República, Dilma Rousseff. A projeção é baseada em levantamento da empresa de recrutamento Michael Page, que aponta grandes oportunidades para jovens e também profissionais experientes, em todas as fases da cadeia produtiva.   O gerente da divisão de óleo e gás da Michael Page, Bruno Stefani, prevê uma busca sem precedentes por profissionais de perfil técnico das mais diversas formações, por prolongado período de tempo. “Estimo o potencial para 20 anos consecutivos de investimento em tecnologia, infraestrutura, serviços e em mão de obra”, declarou, considerando ainda que o momento trará oportunidades não somente para os mais jovens. Os mais experientes, afirma Stefani, também poderão buscar seu lugar ao sol em todas as fases da cadeia, passando pelos setores de geociências, exploração, desenvolvimento e projetos, até chegar à produção. “Será importante uma sincronia fina entre as esferas pública e privada para aproveitar o que há de melhor e não deixar escapar essa oportunidade. Ela não só transformará o setor e sua cadeia correlacionada, mas também a economia do país”. A partir dessa demanda, a Michael Page fez um ranking dos profissionais mais requisitados pelo setor nas três fases da cadeia – exploração, perfuração e produção. Na fase inicial de investigação para exploração, em que se estuda o potencial de exploração do campo – geralmente feitas por grupos ligados à geologia –, os profissionais mais requisitados são geólogos, geofísicos e petrofísicos, cujos salários vão de R$ 6.000 a R$ 45 mil. Na fase de produção, etapa final da cadeia de óleo e gás, os cargos mais demandados serão os de gerente de engenharia, incumbidos de comandar a equipe de engenheiros de projetos, cujos salários vão de R$ 15 mil a R$ 40 mil; gerente de operação, com salários de R$ 35 mil a R$ 50 mil e exigência de dez anos de experiência; gerente de plataforma, entre R$ 25 mil e R$ 35 mil; e oficiais de náutica, que podem receber acima de R$ 30 mil. “Em uma empresa internacional, um comandante de nível sênior, com 30 anos de experiência, recebe salário de R$ 40 mil reais”, diz Stefani. Exigência Engenharia. De acordo com a empresa de recrutamento Michael Page, a formação em engenharia é fundamental para gerenciar contratos de todos os tipos no setor de óleo e gás.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave