Gosto pelo país gerou viagens e casamento

iG Minas Gerais | Daniel Ottoni |

A história de Soubak no Brasil é antiga. Ele teve duas experiências em times paulistas antes de assumir o comando da seleção feminina. “Meu primeiro encontro com o país foi em 1995, quando treinei o time do Osasco. Àquela época, porém, o nível era outro e os atletas não eram profissionais”, lembra.   “Voltei em 2005. Fui para o Pinheiros e já foi bem diferente. Era um clube profissional, com estrutura fantástica, no qual minha permanência durou três anos. Foi fantástico. A terceira parte foi logo na sequência, quando mudei do masculino para o feminino e fui trabalhar em uma seleção adulta pela primeira vez na minha carreira”, recorda. Os anos no país fizeram Soubak ter que se acostumar com brincadeiras. “Estou totalmente adaptado ao país. As pessoas brincam que eu virei um pouco baiano, porque gosto muito de ir para a Bahia. A verdade é que antes mesmo de vir trabalhar aqui, já apreciava o Brasil. Já tinha passado férias, conhecia vários lugares. Hoje, sou casado com uma brasileira de família paulista e tenho filhos brasileiros também”, comemora. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave