Em dezembro, contas dobram

iG Minas Gerais | Ana Paula Pedrosa |

Um dos pontos mais polêmicos na relação entre lojista e shopping é o 13º aluguel. Os lojistas afirmam que, no mês de dezembro, o valor da locação é cobrado em dobro, sem justificativa. “Já se foi o tempo em que a gente vendia o dobro em dezembro e conseguia pagar esse 13º”, afirma uma empresária que tem operações nos maiores shoppings da capital. Ela completa que esse valor é “inegociável”.   Já o presidente da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), Luiz Fernando Veiga, diz que o problema nem sequer existe. “Não há cobrança de 13º aluguel. Os lojistas fingem que não entendem isso, mas eles sabem que não existem”, afirma. De acordo com ele, os aluguéis correspondem a um percentual mensal das vendas das lojas. Mas, em todos os casos, há um valor mínimo estipulado, que tem que ser pago, independentemente do valor das vendas. O que acontece, segundo Veiga, é que os shoppings reduzem esse valor mínimo mensal e compensam a diferença em dezembro, quando as vendas são melhores. Por isso, no último mês do ano, os lojistas têm que pagar um valor correspondente a duas vezes o mínimo mensal. Assim, se as vendas não forem o dobro do usual, a conta vai pesar mais no bolso. Variações. Outra queixa dos lojistas é que o preço do aluguel é diferente dependendo da operação, mesmo que os espaços sejam do mesmo tamanho e localizados lado a lado no mall. Veiga diz que as diferenças acontecem pelas contexto de cada negociação. Ele completa que todas as condições de locação estão expressas nos contratos. “Depois que assina, tem que cumprir o que foi assinado”, diz. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave