Eleição interna no PT é passo para campanha de Dilma

Rui Falcão deverá ser reconduzido ao comando do partido

iG Minas Gerais |

O TEMPO
Rui Falcão concorre à nacional e Gleide Andrade é candidata em Minas
Brasília . O PT realiza hoje suas eleições internas e dá aquele que é considerado o primeiro passo para preparar a campanha à reeleição de Dilma Rousseff ao Palácio do Planalto, em 2014. O atual presidente do partido, Rui Falcão, deverá ser reconduzido ao cargo pelos votos dos filiados.   O desafio do partido, segundo ministros do governo, será elaborar a partir de agora um programa que vá além do discurso de combate à miséria, que garantiu duas vitórias a Lula e a eleição de sua sucessora. A meta é criar uma nova agenda, que dialogue diretamente com a chamada nova classe média. Em conversas reservadas, ministros do governo e dirigentes do PT afirmam que os 11 anos no Palácio do Planalto obrigam o partido a se renovar e a apresentar plataformas que “não olhem só pelo retrovisor” nem representem a mera continuidade de conquistas dos governos Lula e Dilma. Depois do discurso da superação da miséria, a ideia é contemplar a nova classe emergente não só pelo lado do consumo, mas fortalecendo políticas em educação, saúde, transporte e segurança. A eleição interna do PT – que escolherá, além da direção nacional, as direções estaduais e municipais em todo o país – também é um momento em que os integrantes da cúpula aproveitam para fazer críticas aos aliados e cobrar mais espaço no governo Cinco candidatos à presidência do PT desafiam Falcão, defensor da atual política de alianças partidárias. Nenhum tem chance de desbancá-lo. São eles os deputados Paulo Teixeira e Renato Simões, além dos dirigentes Valter Pomar, Markus Sokol e Serge Goulart. Dos cerca de 1,7 milhão de filiados, 806 mil têm direito a voto.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave