Prática se adapta às religiões

Tradição conquistou fiéis católicos, espíritas e adeptos da umbanda e do candomblé

iG Minas Gerais | Natália Oliveira |

Mariela Guimarães
Bairro Santa Cruz. A benzedeira Cláudia Bertolini, 52, baseia seu trabalho principalmente em princípios da umbanda
“As benzedeiras são as estrelas das manhãs, as nossas anciãs”. A música do sambista carioca Martinho da Vila é uma homenagem a todas as mulheres que, com fé e crença, buscam curar os males das pessoas. Entre elas está a benzedeira Olga Maria de Melo, 88. A senhora de cabelos brancos deixa o portão de sua casa, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, aberto durante todo o dia. A cada hora, chega um morador da cidade pedindo que a idosa reze por ele. Católica, Olga utiliza plantas e um terço para benzer quem vai ao local, ritual que pode mudar segundo cada religião. Na hora da oração, as benzedeiras pedem que o benzido feche os olhos e se concentre. Olga reza baixo um pai-nosso e a ave-maria, sempre com uma planta na mão. “Peço ao Senhor e a Nossa Senhora que intercedam e ajudem a curar os males da pessoa”, afirma. A tradição é bem parecida com o modo como os espíritas fazem as orações. “Peço que as pessoas mentalizem coisas boas e faço uma oração, que geralmente é um pai-nosso ou uma ave-maria”, contou a benzedeira espírita, Marta Goulart, 87, que benze em Contagem, também na mesma região. Ela também utiliza plantas para dar a bênção, geralmente uma folha de arruda. Incorporação. Quando a cultura africana entra em cena, o modo de benzer, com origens nos escravos que vieram para o Brasil, se diferencia das outras religiões. A mais diversificada é a umbanda. Cláudia Bertolini, 52, responsável por um centro adepto à religião no bairro Santa Cruz, na região Nordeste da capital, dá as bênçãos todas as quartas-feiras à noite, durante uma reunião em um cômodo na casa dela. “Temos pessoas que possuem uma sensibilidade maior, consideradas médiuns. Elas incorporam um Preto Velho e fazem as orações nas pessoas que estão doentes ou carregadas. Geralmente uma salve-rainha”, contou. Geralmente, os médiuns usam um cachimbo ou um ramo de erva para rezar. Já no candomblé, também com origens africanas, as benzedeiras rezam pelo benzido com um ramo de alguma planta e pedem para que todo o mal que estiver na pessoa se afaste.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave