Craque à vontade em casa

Meia-atacante recebe a reportagem de O TEMPO e fala da vida pessoal e de sua carreira

iG Minas Gerais | Guilherme Guimarães |

ALEX DE JESUS/O TEMPO
Orgulho. Uma das mais importantes peças de “decoração” da casa de Everton Ribeiro é placa comemorativa do golaço sobre o Flamengo
Golaços, assistências, dribles desconcertantes, carisma e uma ótima relação com o torcedor celeste. Essas são algumas características de Everton Ribeiro, meia-atacante do Cruzeiro que encontrou na tranquilidade de Belo Horizonte o clima ideal para mostrar todo o seu talento e potencial no clube estrelado. Morando há pouco mais de um mês em um condomínio residencial na região da Pampulha, após residir em um apartamento, Everton Ribeiro curte a boa fase ao lado da futura esposa, Marília, e do seu cãozinho de estimação, Brad, da raça maltês. “O clima de Belo Horizonte é muito bom. Me senti bem desde o primeiro momento em que cheguei. É uma cidade muito boa de se viver, onde eu tenho a tranquilidade para chegar em campo e fazer o meu melhor”, afirma o jogador, que recebeu a reportagem de em sua casa.O TEMPO Despojado e de chinelos, Ribeiro mostrou que o espírito de competição está no sangue. Quando reúne os amigos na sala de sua casa, o meia-atacante não abre mão de uma boa disputa de futebol virtual, no vídeo game. Quando está sozinho, prefere arriscar tiros e muita adrenalina no Call of Duty. Vendo o seu nome ganhar bastante destaque na mídia nacional, além de ser destaque em jornais estrangeiros, Everton Ribeiro já ganhou vários apelidos dos cruzeirenses, que fazem comparações, no mínimo, engraçadas: “Peléverton Ribeiro”, citando o rei Pelé, Everton Ribéry, em referência ao francês Franck Ribéry, do Bayern de Munique, Everton Dibreiro, por ser conhecido pelos dribles elásticos nos adversários, dentre outros. “É bom ser reconhecido assim. Eu deixo para a torcida essas brincadeiras, porque é coisa saudável, não faz mal algum. Sei que para chegar aonde esses jogadores chegaram preciso trabalhar muito. Mas é sempre bom essas brincadeiras, deixa o futebol mais alegre”, sorri. Apesar do bom momento, o camisa 17 da Raposa conta que passou por momentos difíceis. “Quando cheguei ao Coritiba, em 2011, era um time que estava pronto e eu precisava esperar meu momento. Nesse ano, meu avô, que sempre me levava aos treinos, porque meu pai e minha mãe trabalhavam, faleceu. Ele faz muita falta e eu tive que superar. Ele sempre estará comigo onde eu estiver”. Histórico Trajetória. Revelado pelo Corinthians em 2007, Everton Ribeiro, 24, passou pelo São Caetano (2008 a 2010) antes de chegar ao Coritiba (2011). Após se destacar na equipe paranaense, foi contratado pelo Cruzeiro. Ingressos Chance. O torcedor do Cruzeiro que ainda não tem o ingresso para o jogo contra o Grêmio, no domingo, vai ter a última chance de adquirir as entradas hoje. O clube venderá 500 ingressos do Setor Vermelho, com valores de R$ 250 e R$ 300. Sócios.  Os bilhetes são de Sócios do Futebol que comunicaram, de forma antecipada , que não vão ao estádio. A venda vai ocorrer somente na bilheteria Sul do Mineirão, de 10h às 17h. Restaurantes e cinema na hora da folga Quando não tem compromissos pelo Cruzeiro, Everton Ribeiro gosta de curtir seu tempo livre com a noiva e aproveitar a companhia dos amigos. Há menos de um ano na Toca II, o meia-atacante ainda não teve oportunidade de conhecer pontos turísticos de Belo Horizonte. No entanto, aproveita suas folgas para assistir filmes e comer bem. “Não conheci muitos pontos turísticos, porque são muitos jogos. Sempre que posso, vou ao cinema e gosto de conhecer restaurantes. Ter boas amizades é sempre bom”, afirma Ribeiro, que fala de um grande amigo que fez na Toca. “O Ricardo Goulart. Por morar perto também, sempre saímos para jantar junto com nossas mulheres e acabamos conversando muito”, diz.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave