Roberto Vascon

Considerado o "mágico do couro", estilista que fez fama criando e vendendo bolsas em Nova York lança biografia

iG Minas Gerais | Luna Normand |

FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
“Meu trabalho é o meu descanso, o meu alicerce, o meu hobby. Eu amo o que eu faço”, diz o empresário.
Bem-humorado e de bem com a vida, o estilista de bolsas Roberto Vascon tem uma trajetória digna de ser chamada de “superação”. “Queria deixar a história da minha vida para o mundo”, diz ele, que para contar como saiu da miséria e alcançou o estrelato lançou recentemente a sua biografia, “Nas Asas de um Sonho”. No livro, Vascon discorre sobre assuntos que vão além da carreira, como amores e a tumultuada relação com o filho, Brian, de 16 anos. “Sou solitário. Já fui casado quatro vezes, mas descobri que elas ficavam comigo pelo que eu tinha. Resolvi, então, me casar comigo mesmo e uso até aliança”, revela. Sobre o filho, que mora nos EUA, diz que acredita que um dia as turbulências irão passar. “Eu não tenho contato com ele. Eu tenho um amigo que é Deus e com o tempo ele resolve tudo”, diz. Mineiro de Raposos, a 30 km de Belo Horizonte, há cinco anos ele trocou Nova York por Belo Horizonte após quase uma década vivendo na metrópole americana, onde chegou a catar latinhas na rua e dormir num banco do Central Park até se tornar um dos grandes nomes da moda mundial e conquistar famosas como Madonna e Oprah Winfrey. Tudo por acaso, depois de um sonho até então “sem sentido”. “Acordei sem entender nada. Catei muita latinha naquele dia, comprei pedaços de couro e comecei a fazer bolsas”, conta ele, que colocou as peças na calçada para vender e caiu nas graças da editora de moda do “TheNew York Times”, Nancy Harris. “Tudo valeu a pena, inclusive as dificuldades”, diz ele, que, no auge do sucesso, no fim da década de 90, largou tudo e foi dar a volta ao mundo para “adquirir mais cultura”. “Falo inglês melhor do que americano, além de francês, espanhol, italiano e português”, gaba-se. Motivação Mais do que um estilista de bolsas, Roberto Vascon se tornou um case de sucesso. Por isso mesmo, dá palestras motivacionais para empresas nas quais diz que é o exemplo de que tudo na vida é possível. “Eu levanto o astral de qualquer funcionário. Me sinto como se tivesse 29 anos, mas, na verdade, tenho 52. Não tenho nenhum problema com a idade, quero ficar ainda muito tempo nessa vida”, garante o estilista, que pretende ampliar o seu negócio nos próximos anos: “quero lançar uma coleção de sapatos e uma de roupas. Falta só o patrocínio”. Paixão “Meu trabalho é o meu descanso, o meu alicerce, o meu hobby. Eu amo o que eu faço”, diz o empresário.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave