Internet por rádio chega onde grandes empresas desprezam

Resultado é tão bom que empresários já pensam em oferecer TV por assinatura e telefonia

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

ALEX DE JESUS/O TEMPO
Solução. Aglomerado da Serra, onde a chegada de cabos é difícil, tem empresas de internet por rádio
Morros, becos e escadarias dificultam a chegada dos cabos de fibra óptica aos aglomerados e favelas de Belo Horizonte. Esse detalhe técnico, porém, não impede que a internet esteja cada vez mais presente. O “jeitinho” encontrado para driblar a falta de infraestrutura adequada é o aceso via rádio, com antenas instaladas em pontos estratégicos e receptores sem fio nas casas. “Afinal, pelo rádio, não é necessário cabeamento”, observa o especialista em tecnologia José Lúcio Balbi de Mello.   O mercado de telecomunicações para as classes C e D vem crescendo tanto que empresas que atuam no segmento planejam diversificar os serviços e oferecer em breve telefonia e TV a cabo. Segundo recente pesquisa do Instituto Data Favela, 52% da população brasileira que reside nas comunidades têm acesso à internet. No que diz respeito ao acesso em casa, um em cada quatro moradores afirma conhecer alguém que compartilha o sinal de internet com o vizinho, ou utiliza o do vizinho. A Rede Minas Telecom oferece internet via rádio no aglomerado da Serra, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Hoje credenciado da empresa, Wallace Alves Pereira conta que ele mesmo foi vítima dessa falta de infraestrutura. Por morar próximo ao local, teve dificuldade para conseguir internet das grandes empresas do setor. Segundo ele, as companhias alegam o problema do “gato” (uso ilegal do serviço) nas comunidades. “Vi que muita gente se interessou quando descobriram que eu consegui o serviço via rádio. E pensei em atuar na área”, diz. No começo, há cinco anos, não havia muitos concorrentes. Hoje, a situação é diferente. “Já tem operadora de grande porte oferecendo o serviço, mas não é em toda a área. E há também muitos concorrentes locais, mas a maioria é ilegal, já que para oferecer o serviço é preciso ter licença da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)”, diz. Os negócios vêm dando certo, tanto que o próximo passo é oferecer mais serviços. “Estamos montando um servidor para trabalhar com telefonia”, observa. O atendente da Rede Minas Telecom Warlley Assis Costa conta que, além do aglomerado da Serra, a empresa atua, via rádio, em várias comunidades de Belo Horizonte e Sabará. “Vamos onde têm carência de internet”, diz. Seguindo a mesma lógica, a Tremnet Operadora de Telefonia e Internet Banda Larga vem expandindo sua atuação, conforme o diretor de tecnologia e novos negócios da empresa, Tomaz Antonio Brum. “Atuamos onde as grandes empresas do setor não vão”, ressalta. De acordo com ele, no segmento de internet via rádio, 70% dos clientes são das classes C, D e E. “Aliás, eles são os nosso foco. É um mercado com grande potencial”, diz. Brum conta que, para o próximo ano, a empresa vai oferecer TV a cabo. “Será um pacote menor, com menos canais e com um bom preço. Nosso objetivo é conquistar as classes mais populares. Afinal, as classes A e B já tem esse tipo de serviço e raramente trocam de empresa”, analisa. Ele aguarda a autorização da Anatel para o novo segmento.   Usuário antigo se diz satisfeito com o serviço Morador do aglomerado da Serra, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, o ator Éder Rufino é um dos clientes da Rede Minas Telecom e diz que gosta da internet via rádio. “Eu já uso este tipo de acesso há dois anos”, conta. Para ele, como as grandes empresas de telecomunicação não atuam no local, a melhor alternativa é o acesso via rádio. “Acredito que elas não oferecem o serviço pelo fato de que nem todo mundo tem grana para pagar, além do problema do ‘gato’”, observa. Já o morador do aglomerado Santa Lúcia, o estudante de educação física Eduardo Gonçalves da Costa, afirma que deveria haver mais locais com acesso gratuito, como acontece nas proximidades do Centro de Referência de Assistência Social. “Hoje, estou sem internet em casa”, diz.  Betim Ainda baixo da média. Em Betim, 16,36% das residências em aglomerados têm acesso à internet, contra 31,76% do restante da cidade, segundo dados do IBGE divulgados nesta semana. Veja o preço da internet via rádio Rede Minas Telecom - R$ 39,90 para 600 Kb - R$ 49,90 para 1 mega - R$ 69,90 para 2 megas (preço promocional/ sem promoção o valor é R$ 79,90) - R$ 150 de taxa de instalação Provernet Preços a partir de R$ 49,90 para 1 Mb R$ 69,90 para 2 megas R$ 89,90 para 3 megas Taxa de instalação R$ 150 Tremnet operadora de telefonia e internet banda larga Preços a partir de R$ 29,90 para 1 mega - R$ 49,90 para 3 megas (via cabo) + telefone A empresa atua em Betim Taxa de instalação para internet via rádio: R$ 170 (pode ser dividida em até 12 vezes) Fonte: pesquisa com empresas do setor

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave