Ganho de benefício é tratado como normal

iG Minas Gerais | Lucas Pavanelli |

Mesmo com a confirmação de que, até o fim do ano, um projeto de resolução começa a tramitar na Assembleia para por fim ao pagamento do auxílio-moradia a deputados que têm imóveis na região metropolitana de Belo Horizonte, o assunto ainda é discutido timidamente nos corredores da Casa, de acordo com alguns parlamentares.   Dos 77 deputados, 64 recebem o benefício e 26 deles têm um ou mais imóveis principalmente na capital. Um deles é o tucano Lafayette Andrada, que tem apartamentos nos bairros Gutierrez e Cruzeiro e parte de um imóvel no bairro Buritis. As informações são de sua declaração de bens fornecida ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em 2010. “Não tenho nada a declarar. Ainda não vi o projeto, mas, desde que fui eleito deputado, recebo o benefício. Nunca pedi para aumentar, nem para diminuir”, explica o deputado. Outro exemplo é o petista Rogério Correia, que declarou ser proprietário de parte de uma casa no bairro Santa Amélia. “O auxílio-moradia virou componente salarial. Sou a favor do fim do benefício, mas não abro mão pois tendo direito. Senão, vai para o caixa da Assembleia e não tenho controle de onde vai ser gasto”, justifica. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave