Debate sobre religião e sexo

Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos, foi convidado, mas não respondeu ao evento

iG Minas Gerais |

divulgação/ mixbrasil
Inspiração. O filme “Parceiros da Noite”, de 1980, levou os diretores Travis Mathews e James Franco a produzir “Interior. Leather Bar”
São Paulo.  Começa hoje na capital paulista o 21º Festival MixBrasil de Cultura da Diversidade com 140 filmes, além de teatro, dança, shows e leituras dramáticas com a temática da diversidade sexual e da cultura LGBT.  A edição traz ao menos seis filmes que discutem conflitos de pessoas com sua sexualidade e sua religião. Em maio deste ano, às vésperas da Parada do Orgulho Gay de São Paulo, o festival divulgou carta aberta ao deputado Marco Feliciano convidando-o para o evento, ao que ele respondeu positivamente. Porém, é provável que o também presidente da Comissão de Direitos Humanos não vá. Segundo um dos diretores do evento, André Fischer, foi enviado um convite formal a Feliciano para um debate, mas não houve resposta. O chefe de gabinete do deputado, Talma Bauer, nega que ele tenha recebido o convite. Embora o deputado e pastor que causou a ira dos gays do país provavelmente não compareça, o debate entre religião e diversidade sexual vai aparecer em alguns filmes. Em “Além da Fronteira”, de Michael Mayer, um jovem muçulmano e palestino se apaixona por um israelense. O documentário “Amor Livre ou Morte”, de Macky Alston fala de Gene Robinson, o primeiro gay assumido a se tornar bispo da igreja anglicana. O festival, que, além dos cinemas, ocupa o Centro Cultural São Paulo, traz o documentário “Dê uma Chance a Deus”, sobre o padre jesuíta John McNeill, expulso do sacerdócio pelo Vaticano após escrever sobre espiritualidade gay e liderar o movimento pelos direitos dos gays. “Estamos fazendo uma ligação entre sexualidade e religião por meio de filmes do mundo todo, esta relação tem sido uma questão importante nos últimos anos”, afirma João Federici, diretor artístico do festival. Há ainda a retrospectiva do diretor norte-americano Travis Mathews que, junto do ator e diretor James Franco, realizou neste ano “Interior. Leather Bar”. O filme busca imaginar como seriam os 40 minutos de cenas de sadomasoquismo excluídos de “Parceiros da Noite”, de 1980, em que Al Pacino encarna um policial infiltrado na cena gay de Nova York para desvendar um crime. Segundo Mathews, Franco estava procurando um diretor que já trabalhasse com o sexo como forma de contar uma história. O filme “explora e questiona barreiras pessoais, sexuais e criativas”, diz. O MixBrasil tem ainda shows como o de Cida Moreira, e exibição de filmes ao ar livre no Largo do Arouche.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave