Juiz sai em defesa do abrigo suspeito de tráfico de crianças

Abrigo Lar Efatá foi onde uma menina de 4 anos permaneceu até ser adotada provisoriamente. No entanto, por decisão do TJ, terá que ser devolvida aos pais biológicos

iG Minas Gerais | MÁBILA SOARES |

O juiz da Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Contagem, Thiago França de Resende, divulgou nesta sexta-feira (8) uma nota em defesa da Associação Beneficente Efatá. O abrigo é investigado por um suposto esquema de tráfico de crianças e prática de maus-tratos contra crianças. No documento, o magistrado afirma que "não se verifica a princípio qualquer irregularidade no abrigamento ou na colocação de menores em família extensa e que o Lar Efetá é uma instituição regularmente habilitada para receber menores em situação de risco", que funciona sob fiscalização dele e do Ministério Público.  Clique aqui e confira o comunicado na íntegra Tráfico de crianças A Delegacia Regional da Polícia Civil em Contagem investiga um suposto esquema de tráfico de crianças envolvendo o abrigo Lar Efatá. No entanto, a assessoria de Tribunal de Justiça de Minas Gerais disse que, na mesma investigação, também é apurada uma denúncia de suposta prática de maus-tratos contra crianças recebidas pelo abrigo. As hipóteses apuradas pela Polícia Civil ganharam força depois que a advogada Joice Rocha expôs o caso de uma cliente sua que chegou a ter três netos no abrigo. Segundo a defensora, sua cliente entrou com o pedido de retomada de guarda dos netos, mas descobriu que eles tinham sido adotados provisoriamente em Goiás.  A advogada contou que uma das famílias mora no entorno do Lar Efatá, a viu sendo impedida de visitar o abrigo e a procurou. “O relato dessas famílias levanta suspeita sobre o tráfico de crianças”. Advogada que representa o Lar Efatá, Margarete Leite nega qualquer envolvimento do abrigo com um suposto esquema de tráfico de crianças e também disse não ter conhecimento da investigação da Polícia Civil. “O Lar Efatá não é conivente com nenhum tipo de adoção irregular. 

Leia tudo sobre: abrigoContagemjuizcriançaadotiva