Experiências internacionais dão o exemplo

iG Minas Gerais | bernardo miranda / larissa arantes |

A coordenadora do projeto Pedala BH, da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Eveline Trevisan, afirma que a busca por um modelo mais adequado de ciclovia para a capital passa também pelas experiências internacionais. Segundo a coordenadora, um dos sistemas cicloviários mais interessantes já apresentados à empresa foi o da cidade de São Francisco, no Estado da Califórnia, nos Estado Unidos. O padrão adotado pela cidade chamou atenção por ter sido adaptado à topografia da cidade, que é montanhosa como Belo Horizonte. “Não existe um padrão internacional, existem experiências internacionais”, enfatizou. Manual. Atualmente, a referência usada no Brasil – e também em Belo Horizonte – é o manual de ciclovias elaborado pelo Ministério das Cidades. No entanto, de acordo com Eveline, ele não pode ser aplicado à risca, como um padrão. “Tudo depende da situação da via”, avaliou. Aspectos como velocidade da via, por exemplo, precisam ser analisados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave