Mais de 60% das cidades mineiras não conseguiram pagar 13º

Mais de 60% das 853 cidades mineiras não devem conseguir arcar com o salário extra no prazo

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda |

ACONTECE REGIONAL/DIVULGAÇÃO
Votação. Prefeitos de 21 cidades do Alto Jequitinhonha decidiram suspender as atividades municipais
Prefeitos de 114 cidades mineiras dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas decidiram suspender suas atividades e fechar as portas durante dois dias no mês que vem para chamar a atenção dos governos federal e estadual a respeito da situação de calamidade das contas públicas municipais. Na reta final do ano, o principal alvo da reclamação dos gestores é o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores, que precisa ser depositado até 30 de novembro. Estimativa da Associação Mineira de Municípios (AMM) indica que, neste ano, mais de 60% das 853 cidades mineiras não devem conseguir arcar com o salário extra no prazo. Ontem, prefeitos de 21 cidades que integram a Associação dos Municípios do Alto Jequitinhonha (Amaje) decidiram suspender as atividades municipais nos dias 12 e 13 de dezembro. Segundo o presidente da entidade, o prefeito de Angelândia, Thiago Pimenta (PMDB), os municípios não têm conseguido cumprir com serviços básicos, como saúde e educação. “Se na base da conversa não está resolvendo, teremos que tomar medidas mais radicais. Nos dias da paralisação, nada vai funcionar nas cidades, apenas serviços emergenciais como saúde, educação e limpeza urbana”, explica. Segundo o peemedebista, a cidade de pouco mais de 8.000 habitantes arrecadou até outubro apenas 50% do esperado. “Tenho que pagar o décimo terceiro, e essa é uma grande preocupação, mesmo tendo cortado 25% dos servidores”, argumenta. A decisão da Amaje ocorre um dia após as 93 prefeituras da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) também decidirem fechar as portas. A greve foi marcada para 14 de dezembro. “Aumentar o Fundo de Participação dos Municípios, que caiu depois que o governo federal resolveu desonerar o Imposto sobre Produtos Industrializados, e torná-lo uma parcela única, que não fica oscilando mês a mês, seria a melhor ajuda que o governo poderia nos dar”, afirma o presidente da Amams e prefeito de Mirabela, Carlúcio Mendes (PSB). O número de prefeituras que vão suspender suas atividades ainda pode aumentar, já que outras associações estão discutindo o tema. Ontem, o presidente da AMM, Toninho Andrada, ressaltou que a decisão dos gestores “é dura”, mas considerou a iniciativa “necessária”. Ele destacou o pagamento do décimo terceiro como um problema. “Acreditamos que mais de 60% dos prefeitos terão problema de arcar com os extras em 2013”. No ano passado, o percentual de prefeituras que tiveram dificuldade para pagar o benefício foi de 60%, e, em 2010, de 35%. Reclamação dos prefeitos é recorrente O fim do ano é o período em que as reclamações dos prefeitos se tornam mais recorrentes. Neste ano, porém, a decisão de paralisar as atividades é considerada uma novidade para a Associação dos Municípios Mineiros (AMM). O presidente da entidade, Toninho Andrada, explica que os gestores públicos estão há anos “de pires na mão”. Mas, no fim do ano, as dívidas e problemas acumulam. “Nós tentamos de todas as formas negociar, mas não tem surtido efeito. E, neste ano, junta as dificuldades financeiras com as dívidas herdadas da gestão anterior”, ressalta.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave