Tufão mata dois e obriga retirada de 125 mil pessoas nas Filipinas

A tempestades causou desabamentos de terra, derrubando o fornecimento elétrico de uma província inteira e cortando a comunicação entre as ilhas e região central

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

AP Imagens
O presidente Benigno Aquino III fez provisões para um cenário de guerra, com três aviões cargueiros C-130 da força aérea e 32 helicópteros militares em prontidão, assim como 20 navios da marinha
Um dos maiores tufões já registrados atingiu as Filipinas nesta sexta-feira (8) e causou desabamentos de terra, derrubando o fornecimento elétrico de uma província inteira e cortando a comunicação entre a região central do país e as ilhas. Duas pessoas morreram. Um camponês foi eletrocutado no sul da província de Surigao del Sur e outro foi atingido por uma árvore derrubada pelos ventos fortes na província central de Cebu, disseram oficiais. Imagens de televisão da cidade de Tacloban, na ilha de Leyte, mostravam ruas com alagamentos que subiam até os joelhos dos moradores. As águas carregavam destroços que eram arrastados a força pela ventania. Telhados de estanho foram arrancados e voavam pela cidade. Agentes meteorológicos afirmam que o tufão Haiyan provocou ventos de 235 quilômetros por hora, e rajadas de 275 quilômetros por hora. Mais de 125 mil pessoas foram evacuadas de cidades e vilarejos pelos quais o tufão passaria. Entre eles, estavam milhares de residentes de Bohol que estão acampados desde que um terremoto de magnitude 7,2 na escala Richter atingiu a região. O tufão - a 24ª tempestade a atingir as Filipinas neste ano - deve passar pela área central do país e depois seguir para o sul da China no final de semana, em direção ao Vietnã. Oficiais de Cebu derrubaram o fornecimento elétrico para a região norte da província para evitar acidentes no caso de postes de energia serem derrubados. O presidente Benigno Aquino III fez provisões para um cenário de guerra, com três aviões cargueiros C-130 da força aérea e 32 helicópteros militares em prontidão, assim como 20 navios da marinha.

Leia tudo sobre: desastretufãoventotempestadeFilipinas