Para Renato Augusto, saída de Tite não seria surpresa

Meia elogiou o comandante, o comparou a Alex Ferguson, mas lamentou práticas utilizadas no futebol brasileiro relacionadas aos treinadores

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Reprodução/Facebook
Dentre outros títulos, Tite conquistou o Mundial de Clubes e a inédita Libertadores com o Corinthians
A temporada ruim do Corinthians em 2013, principalmente no segundo semestre, levantou rumores sobre uma possível saída de Tite. Até o momento, o técnico se manteve no comando e tem a garantia da diretoria de que assim seguirá pelo menos até o fim de seu contrato, em dezembro. Para a próxima temporada, no entanto, nenhuma decisão foi tomada sobre quem será o treinador. Ao ser perguntado sobre o assunto nesta quinta-feira, o meia Renato Augusto manifestou seu apoio a Tite, pediu a permanência do técnico, mas admitiu que uma troca não seria surpresa. "Olha, o contrato está acabando, ele tem um mercado muito aberto, não só no Brasil. Minha torcida é para que fique, mas se ele não estiver (em 2014), não seria nenhuma surpresa não." Renato Augusto fez questão de elogiar o treinador e lembrou da sequência vitoriosa de Tite no Corinthians, com a conquista de cinco títulos em três anos, entre eles a Libertadores e o Mundial de Clubes de 2012. O meia ainda comparou o técnico a Alex Ferguson, que manteve-se vencedor no comando do Manchester United por 27 anos. "Ele (Tite) está sendo ele. Os jogadores, quem vive no clube, torcem para que ele fique. Não é possível que quem ganhou tudo desaprenda em seis meses, senão o United não teria ganho nada, já que o treinador ficou 27 anos. O jogador tem sua parcela de culpa, tem de ter consciência. Espero que o Tite possa ficar e acho que tem muito para dar ao Corinthians", apontou. O próprio Renato Augusto teve uma temporada abaixo do esperado em 2013. Quando esteve em campo, o meia foi bem e ajudou o Corinthians com sua qualidade técnica, mas ele acabou perdendo muitas partidas ao longo do ano por conta de diversas lesões, que, segundo o próprio, farão com que não termine a temporada 100% fisicamente. "Sei que até o final não vou estar 100% para ajudar, mas quero estar no bolo, junto. Não adianta estar no bolo só nos bons momentos. Quero estar junto agora para dar a volta por cima", comentou. "Fico triste por não ter feito tantos jogos, mas os que fiz acho que cooperei à altura. Ainda não tive uma sequência mas vou fazer trabalho especial para ano que vem estar em alto nível."