Levantamento só sai no ano que vem

iG Minas Gerais |

A concorrência desleal praticada pelos imigrantes asiáticos levou comerciantes do centro de Belo Horizonte a desistirem de vender bolsas, guarda-chuvas, calçados e bijuterias. Os preços praticados pelos chineses chegam a ser até cinco vezes mais baixos em relação aos de lojistas belo-horizontinos. As denúncias levaram a Associação Comercial de Minas Gerais (ACMinas) e a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) a anunciarem a realização de um levantamento inédito sobre a invasão asiática na cidade. O estudo deve ser concluído até meados do próximo ano. A presidente do Conselho de Comércio e Serviços da ACMinas, Cláudia Volpini, declarou que a meta é recolher o máximo de informações “para separar o joio do trigo”, eliminando a concorrência desleal. A presidente do conselho da ACMinas admite que a grande maioria desses asiáticos mantêm seus estabelecimentos na ilegalidade, e que essas irregularidades vão da falta de alvará de funcionamento à não emissão de notas fiscais e condições subumanas de trabalho. “A situação já fugiu ao controle”, admitiu Cláudia. Já o vice-presidente da CDL-BH, Marco Antônio Gaspar, sentenciou: “Se não houver uma ação efetiva do poder público, estaremos perdidos”. O secretário de Fiscalização da Prefeitura de Belo Horizonte, Alexandre Salles, alegou que uma fiscalização pontual “vai de encontro aos princípios da legalidade”. A fiscalização só pode ser promovida “mediante denúncia formal”. (JR)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave