Procure Saber enfraquecido

Roberto Carlos se desliga de grupo e questão acerca das biografias é posta em xeque

iG Minas Gerais |

Daryan Dornelles / Divulgação
Permanência. Com a saída de Roberto Carlos do Procure Saber, Erasmo Carlos diz, agora, que terá que refletir sobre sua permanência no grupo de artistas
A saída de Roberto Carlos do Procure Saber facilitará a ação que contesta, no Supremo Tribunal Federal, exigência de autorização prévia para a publicação de biografias. Anteontem à noite, o músico anunciou que deixaria o grupo. Roberto, segundo seus representantes, continuará atuando na questão das biografias. “As divergências internas interessam mais a eles do que a nós. O que importa é que com seu prestígio os artistas ajudaram a construir um debate do qual nós e a sociedade brasileira saímos vencedores”, afirma Gustavo Binenbojm, advogado da Associação Nacional de Editores de Livros, grupo autor da ação. O desligamento do músico do Procure Saber está ligado a um mal-estar causado por uma crítica feita ao Rei por Caetano Veloso e à insatisfação com a forma como Paula Lavigne, empresária do baiano e presidente da entidade, conduziu o debate. Desde o início de outubro, integrantes do grupo se manifestaram a favor da necessidade de autorização prévia para a publicação de biografias. O Procure Saber foi fundado por Roberto, Caetano, Chico Buarque, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Erasmo e Djavan. No domingo, Caetano escreveu no jornal “O Globo” que Roberto Carlos apenas aparecera no debate “quando da mudança de tom”. Roberto deu entrevista ao “Fantástico” há duas semanas, quando se disse a favor de biografias não autorizadas, desde que com “certos ajustes”, sem, no entanto, definir quais seriam esses ajustes. Depois, gravou um vídeo com Gil e Erasmo, dizendo não ser a favor da censura, mas defender a privacidade. “O Roberto está mudando de tática no meio da batalha. Se com os artistas juntos já foi difícil, separados vai ficar mais ainda”, diz Paulo César de Araújo, autor da biografia “Roberto Carlos em Detalhes”, proibida pelo cantor. O desligamento de Roberto deixa dúvidas quanto à participação política do Procure Saber no debate. A entidade pretendia ingressar como parte interessada na ação no Supremo Tribunal Federal. Nos bastidores, afirma-se que a pauta das biografias foi introduzida no grupo por Roberto Carlos. Um projeto de lei sobre o tema tramita na Câmara, mas sem previsão para a votação da proposta. A permanência dos outros artistas no grupo também é incerta. Erasmo Carlos já ponderou que precisa refletir. “Agora eu não sei, preciso pensar e me reunir até com Deus”, disse. Antes da notícia da saída de Roberto, Erasmo havia dito que não estava “com cabeça” para o assunto. “Desde a criação do Procure Saber eu estou lá, é que eu não apareço muito. Eu não estou com cabeça pra isso, estou gravando meu disco. Sou comedido, prefiro não falar”. Ele declarou ter entrado para o grupo por interesse na aprovação do projeto que previa maior fiscalização sobre o Ecad, instituição responsável pela arrecadação e pelo repasse do dinheiro referente a direitos autorais. Ou seja, sem interesse direto em questões sobre autorização prévia para biografias.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave