Tata Martino se irrita e ironiza "crise" no Barcelona

Argentino, que vive o melhor início da história de um treinador no comando do Barça, afirmou que não consegue entender "qual crise é essa que falam"

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

REPRODUÇÃO/BARCELONA
Tata Martino está invicto no comando do Barça, que lidera o Campeonato Espanhol
As 13 vitórias e quatro empates nas primeiras 17 partidas do Barcelona na temporada 2013/2014 parecem não ser suficientes para satisfazer a imprensa local, que segue questionando o técnico Gerardo Martino. Contratado em julho para a vaga de Tito Vilanova, o treinador tem sido bastante perguntado sobre a mudança do estilo de jogo da equipe, que deixou de atuar no famoso "tiki-taka", consagrado principalmente pela passagem de Pep Guardiola no comando. Na entrevista coletiva desta terça-feira, quase todas as perguntas direcionadas a Martino foram justamente sobre essa mudança. A insistência irritou o treinador, que chegou a ironizar sobre uma suposta crise na equipe, comparando o momento do Barcelona comparado com o do Milan, adversário desta quarta-feira no Camp Nou, pela Liga dos Campeões, que é apenas o 11.º colocado no Campeonato Italiano. "Não consigo perceber do meu lado qual é a crise, mas sei entender o que escuto e entender o que leio. O que escuto é que há crise", comentou. "Se o Milan está em crise, nós também chegamos para a partida em crise, não creio que haja diferença. Nesta circunstância estamos bastante parelhos", ironizou. De fato os resultados estão a favor de Martino. O treinador ainda não perdeu no comando do Barcelona em jogos oficiais, já conquistou a Supercopa da Espanha e vê a equipe na liderança do Campeonato Espanhol e de seu grupo na Liga dos Campeões. Os jogadores também parecem satisfeitos com o novo estilo de jogo. Daniel Alves, por exemplo, chamou de "monótono" o consagrado "tiki-taka". A irritação de Martino, no entanto, não impede que ele reconheça que a equipe ainda pode melhorar. "Há espaço para melhorar e não tenho nenhuma dúvida de que podemos fazê-lo, tanto na parte coletiva quanto na individual. Creio que o nível coletivo acelera a evolução na forma dos jogadores."

Leia tudo sobre: futebolesportetata martinobarcelona