Prefeitura se prepara para dar início a censo sobre moradores de rua

Moradores de rua serão remunerados para colaborar com a pesquisa, que será realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais

iG Minas Gerais | MÁBILA SOARES |

Começa na segunda quinzena deste mês o censo que vai indicar quantos moradores de rua vivem em Belo Horizonte. Cerca de 20 equipes de recenseadores vão percorrer toda a cidade para aplicar questionários, que apontarão também o perfil de quem vive em espaços públicos. Os moradores de rua serão remunerados para colaborar com a pesquisa, que será realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O grupo de trabalho será formado por estudantes de nível superior e técnicos contratados pela Prefeitura de Belo Horizonte. O valor pago aos colaboradores e as informações contidas no questionário são sigilosos.  Os moradores que vão participar do levantamento serão indicados por movimentos sociais, como a Pastoral de Rua. O censo será realizado em apenas cinco dias. O tempo curto da pesquisa se deve à migração constante dessa população. Pessoas em abrigos, albergues e centros de referência de saúde também serão ouvidas. Para que não haja números duplicados, o sistema usado pelos pesquisadores da UFMG é capaz de excluir entrevistados que aparecerem mais de uma vez. Perfil Além de contar os moradores de rua, o censo identificará quem são eles, de onde vêm, por que saíram de casa e o que os trouxe para BH, e ainda mostrar quais serviços públicos eles usam. Os dados permitirão políticas sociais mais eficazes. Não há prazo para a divulgação do resultado do censo. O último censo oficial é de 2005, que apontou 1.164 moradores de rua em Belo Horizonte.     

Leia tudo sobre: moradores de ruacenso