Seleções de fora preferem Sudeste

Visitantes tendem a ocupar a região mais rica do pais; Norte e Nordeste podem ser preteridos

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

Com 83 centros de treinamento credenciados em todo o país para receber as seleções durante a Copa do Mundo de 2014, o governo brasileiro e o Comitê Organizador Local (COL) querem ampliar o leque de cidades co-participantes do evento. O problema é que, diante do perfil final do último catálogo, e até mesmo com as primeiras visitas das delegações, a tendência é que a maioria das 32 equipes optem pela região Sudeste, a mais desenvolvida do país. Juntas, as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste estão oferecendo apenas 17% dos centros de treinamentos de seleções (CTSs), contra 57% do Sudeste e 26% do Sul (veja abaixo a distribuição por Estados). O que aconteceu é que as cidades nordestinas e do norte não conseguiram apresentar requisitos básicos para o credenciamento, como hotéis com o mínimo de 55 quartos, próximos a campos de padrão Fifa e aeroportos. Ou, seja, de nada adiantaram as belas praias em grandes resorts, sem as questões técnicas. De toda forma, o governo federal trabalha para tentar distribuir melhor as fatias do bolo. “De fato, existe uma tendência para o Sudeste por causa da infraestrutura, logística, disponibilidade de aeroportos, hotéis, centros de saúde. O que pudermos fazer para ajudar o Norte, o Nordeste e o Centro-Oeste, vamos fazer, vamos apoiar para equilibrar um pouco os meios para cada seleção”, admitiu o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo. Situação como essa não é uma exclusividade brasileira. Em 2010, durante a Copa do Mundo da África, a maioria das seleções optou por locais em Johannesburgo ou cidades vizinhas. O curioso por aqui são os Estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal, cujas capitais serão cidades-sede de jogos da Copa, mas, no momento, não contam com cidades credenciadas. Dependendo do percurso que determinada seleção fará na competição, a estadia em um Estado vizinho pode ser uma boa solução. A distância de João Pessoa, na Paraíba, para São Lourenço da Mata, onde fica a Arena Pernambuco, é de apenas 132 km. Cada seleção deve fazer uma indicação de CTS até 18 de dezembro. O anúncio final da base escolhida acontece até 30 de janeiro do ano que vem. O sorteio acontece no dia 6 de dezembro. Carona . O Estado do Espírito Santo, o único do Sudeste que não tem estádio na Copa, tem três CTSs credenciados. O presidente da Espírito Santo Convention Bureau, João Alfonso Silva, acredita que o Estado pode receber pelo menos duas seleções. A Austrália estaria em conversas avançadas. “Temos um grande potencial por causa da localização geográfica, perto de Belo Horizonte, São Paulo e do Rio. Temos como subsidiar parte das despesas das seleções, como transporte. Além disso, temos preços mais baratos e mais oferta de quartos do que as cidades-sedes, que ficarão cheias”, analisa Silva. Minas . Minas é o único Estado já confirmado por uma seleção como casa para a Copa. A Argentina já anunciou que vai treinar na Cidade do Galo, em Vespasiano. Gerente do projeto Receptividade na Copa em Minas Gerais, Ludimila Kai não faz projeções sobre novas seleções. “Nossa captação começou na época do Parreira (que trabalhou como consultor da Secopa). Temos contato com consultorias esportivas, para convidá-las a nos visitar”, diz a gerente. O clima e a localização são as principais bandeiras de Minas. Além do CT atleticano, as Tocas I e II, e os estádios Lamegão, Parque do Sabiá, Arena do Jacaré e Mário Helênio foram credenciados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave