Na rota da ilha de Itamaracá

Passeio pode reservar visita a forte histórico e contato com peixe-boi-marinho

iG Minas Gerais | Letícia Lins |

Hans von Manteuffel/Agência o Globo
Forte Orange, uma das maiores fortalezas do Nordeste, foi erguido no século XVII para evitar as invasões de inimigos
Quem pretende percorrer os 184 quilômetros do litoral de Pernambuco, ou apenas parte dele, tem um motivo a mais para incluir Itamaracá em seu roteiro. Conhecida como a terra da ciranda – é onde mora a cirandeira Lia, a mais famosa do país – a ilha tem mais uma atração: o Forte Orange. Depois de passar dois anos fechada, aquela que é considerada a maior fortaleza em pedra do Nordeste foi reaberta ao público em novembro passado. Além de sua importância histórica, da imponência e da beleza arquitetônica, o forte ainda fica em um local privilegiado: à beira-mar, em frente à chamada Coroa do Avião, uma ilhota de areias brancas e finas, cercada de águas cristalinas, muito procurada por turistas, principalmente em tempos de maré baixa, quando arrecifes e coroas de areia dividem o mar em dezenas de piscinas naturais. Como se isso não bastasse, do alto da fortaleza podemos avistar manguezais, colinas verdes que recortam o relevo da ilha e o vaivém colorido de barcos conduzindo os turistas. Passeios Antes ou depois de visitar gratuitamente o Forte Orange, cujas obras para reparos emergenciais consumiram R$ 350 mil e permitiram a sua reabertura, não há quem resista a um mergulho. Principalmente na maré baixa, quando a praia fica ainda mais convidativa e se intensificam as idas e vindas à Coroa do Avião, onde os coqueiros se misturam com bares e guarda-sóis. Se você gosta de praia mais tranquila, vá durante a semana. A travessia entre a praia em frente à fortaleza e a Coroa custa R$ 10. Mas se a ideia é fazer um passeio maior, até as piscinas naturais, é preciso pagar entre R$ 35 a R$ 40 por um percurso de cerca de 50 minutos. Com o mesmo valor, pode-se fazer um roteiro ecológico, percorrendo os manguezais verdejantes de Itamaracá. Porém, quem pretende conhecer a ilha por inteiro vai precisar de mais tempo, seis horas, e um pouco mais de dinheiro: R$ 150 por pessoa. O passeio que dá a volta em Itamaracá vale a pena, e pode ser fechado na hora, principalmente nos dias de semana, quando o movimento é bem menor. Parque Outra dica para quem está nas proximidades do Forte Orange é visitar o Parque Temático Mamíferos Aquáticos e ver de perto um dos animais mais dóceis que existem: o peixe-boi-marinho, o mamífero aquático mais ameaçado de extinção no Brasil e cuja pesca é proibida. O parque tem cinema, museu e aquários, que abrigam atualmente 11 animais. Brincalhões e curiosos, eles até se debruçam na borda das piscinas para observar de perto os turistas, que participam de visitas guiadas. A primeira parada é em um auditório que funciona como cinema, onde é exibido um documentário sobre a vida dos peixes-bois e dos golfinhos rotadores.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave