Tite pede mais ousadia e chutes a gol no Corinthians

Coletivo nessa quinta-feira teve o campo reduzido justamente para o jogador ter menos espaço e tempo para saber o que fazer com a bola

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

O técnico Tite quer ver a partir de domingo, diante do Vitória, em Salvador, um Corinthians mais "fominha" em campo. Acostumado a ver o time trocar muitos passes até chegar ao gol adversário, ele espera mais ousadia de seus jogadores quando rondarem a área inimiga. A ordem é não se intimidar em chutar ao gol. "Não desperdiçar oportunidade, abriu, chuta", foi o discurso bradado por Tite aos jogadores durante os trabalhos da primeira semana livre para treinos após a maratona de 27 jogos em três meses. Intercalando a folga de segunda-feira e um trabalho físico na quarta, Tite dedicou horas da preparação em finalizações. Na terça, por exemplo, ele determinou um verdadeiro bombardeio ao gol de Walter, Danilo Fernandes e cia. Os atacantes foram à exaustão de tanto chutar. E com obrigação de usar também o pé que não é bom. Na quinta-feira, o treino coletivo teve o campo reduzido justamente para o jogador ter menos espaço e tempo para saber o que fazer com a bola. E foi disputado sempre aos berros de Tite para que o time finalizasse mais. "Treinamos forte e, em qualquer 'abridinha', era para chutar no gol. Temos de arriscar mais para a fase melhorar e as vitórias voltarem", disse o goleiro Walter, que aproveita as ordens de Tite para ganhar o ritmo de jogo - fez apenas três partidas como titular na vaga do lesionado Cássio. O problema, contudo, é que os jogadores estão confundindo capricho com força e muitos vêm errando demais o alvo. Uma das vítimas da ira da torcida corintiana, o atacante Romarinho é quem parece sofrer mais nos trabalhos de finalização - não por acaso, soma apenas um gol no Brasileirão. O atacante Emerson também vem recebendo orientações especiais nos treinamentos, após desperdícios de chances incríveis contra São Paulo e Santos, em ambas na cara do goleiro. O grande desperdício de chances de "matar os jogos" vem sendo apontado como um dos fatores de o Corinthians estar com campanha tão discreta no Brasileirão.

Leia tudo sobre: corinthianspedetimechutesgolfutebolbrasileiroserie a