Secretário dos EUA John Kerry admite que espionagem 'foi longe demais'

"Obama está decidido a tentar esclarecer (estas práticas) para que ninguém se sinta enganado", disse Kerry sobre os milhares de "grampos" realizados pela NSA

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

AP Photo/Jacquelyn Martin, Pool
undefined
O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, reconheceu, pela primeira vez, que a espionagem dos Estados Unidos foi, em alguns casos, longe demais. “Em alguns casos, reconheço, assim como o presidente, que algumas dessas ações foram longe demais e vamos garantir que isso não volte a acontecer no futuro”, disse Kerry nessa quinta-feira (31). Segundo ele, as práticas de espionagem do seu país são justificadas pela luta contra o terrorismo e pela prevenção de atentados. “Garanto que, nesse processo, pessoas inocentes não estão sendo alvo de abusos, mas há um esforço para tentar reunir informação e sim, em alguns casos, foi-se longe demais de forma inapropriada”, informou. John Kerry ressaltou que o presidente Barack Obama está determinado a esclarecer essas práticas para que “ninguém tenha a sensação de ter sido abusado”.

Leia tudo sobre: espionagempolíticaNSAEUAObama