STJD nega efeito suspensivo

Raposa terá que encarar o Grêmio, dia 10, longe do Mineirão; jogo pode ser até fora de Minas

iG Minas Gerais | Josias Pereira |

FERNANDA CARVALHO
Retorno. Ricardo Goulart, que se recupera de uma lesão na panturrilha, começou a treinar ontem
O Cruzeiro fará o jogo contra o Grêmio, no próximo dia 10, válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, fora do Mineirão. Ontem, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) negou o pedido de efeito suspensivo impetrado pela Raposa a respeito da perda de um mando de campo, que foi a punição dada ao clube pela briga entre torcedores no clássico contra o Atlético, no dia 13 de outubro. O Galo recebeu apenas uma multa de R$ 20 mil.   Logo ao saber que a punição havia sido mantida pelo tribunal, o diretor de futebol, Alexandre Mattos, declarou que a equipe celeste acatará a decisão e já planeja a operação da partida contra o Grêmio, que terá que ser disputada ao menos a 100 km de Belo Horizonte. Segundo a diretoria do Cruzeiro, a CBF já havia informado que a punição seria cumprida contra o Tricolor Gaúcho. Uma reunião que envolverá toda a cúpula celeste foi marcada para a manhã de hoje e deve definir o novo local da partida. Torcedores. O dirigente aproveitou também para tranquilizar os mais de 33 mil torcedores celestes que já adquiriram ingressos para o jogo que seria no Mineirão. “Ninguém será prejudicado, nenhum torcedor será prejudicado. O prejuízo será do clube, e muito, tanto técnico como financeiro. O sócio-torcedor terá a opção de passar para o jogo seguinte contra a Ponte Preta ou devolveremos o valor. Como foi uma compra em cartão e pela internet, o Cruzeiro já estava preparado para fazer os cancelamentos”, explicou. Até o fechamento desta edição, a Minas Arena ainda não havia definido sobre o ressarcimento aos torcedores. Mattos não quis antecipar em qual cidade o Cruzeiro realizará o compromisso contra o Grêmio, mas adiantou que a partida pode vir a acontecer até mesmo fora de Minas Gerais. “Temos duas a três opções na cabeça, uma em Minas e as outras duas fora do Estado. Nessa reunião vamos tomar todas as providências, ver a melhor condição para que o Cruzeiro realize essa partida”, declarou. Já o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, afirmou que a equipe celeste poderia realizar esse confronto em Varginha ou Juiz de Fora. Com a confirmação de propostas de outros Estados, quem ganha força para receber o jogo que pode definir o Campeonato Brasileiro é o Estádio Nacional de Brasília, o Mané Garrincha. O Maracanã é outra opção que foi especulada ontem pela imprensa. Opções. O diretor jurídico do Cruzeiro, Fabiano Costa, ainda revelou que o Cruzeiro recebeu a negativa do STJD com estranheza, uma vez que era esperada uma decisão favorável. “Estamos surpresos com isso. Parece que quem julgou o efeito suspensivo não levou em conta toda a logística para essa partida, que já tinha mais de 33 mil ingressos vendidos”. Na verdade, a venda antecipada dos bilhetes foi um dos álibis utilizados pela Raposa para fugir da punição logo diante do Grêmio. Raposa treina em dois períodos na Toca II Seguindo a preparação para o duelo com o Santos, marcado para domingo que vem, às 17h, na Vila Belmiro, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro treinou ontem em dois períodos. Pela manhã, o elenco celeste foi dividido em dois grupos. Um ficou na academia da Toca da Raposa II fazendo trabalhos de recuperação, enquanto o segundo foi para o campo do CT treinar a parte física. À tarde, o time celeste voltou ao batente para a segunda parte de treino. A novidade foi a presença do atacante Ricardo Goulart em um dos campos. O atleta havia lesionado a panturrilha esquerda e começou ontem a preparação física. No entanto, certo mesmo é a volta do volante Nilton no jogo contra os santistas. ( Débora Ferreira )

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave