Seleção brasileira formaliza pedido para disputar o Mundial de Basquete

Brasil não conseguiu vaga para o campeonato via Copa América e só poderá disputar a competição se for convidado pela Federação Internacional (Fiba)

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

INOVAFOTO - DIVULGAÇÃO
Brasil corre risco de ficar de fora do Mundial de Basquete
Sem ter conseguido vaga no Mundial Masculino de Basquete do ano que vem pela Copa América, torneio classificatório, o Brasil vai tentar ir à competição na Espanha, entre agosto e setembro do ano que vem, por meio de um convite. Nesta quarta-feira, a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) revelou que já enviou à Fiba (Federação Internacional) o seu pedido. Pelos critérios da entidade internacional, quatro das vagas na competição serão apontadas por meio de convites. As equipes que não conseguiram a classificação na quadra devem formalizar um pedido (como fez a CBB) e oferecer uma "doação" à Fiba - dinheiro que será utilizado para promover e divulgar o basquete mundialmente. Em declaração publicada no site oficial da CBB, o presidente da entidade, Carlos Nunes, agradece "o apoio das entidades governamentais e esportivas, dos jogadores, da comunidade do basquete, patrocinadores, apoiadores e da mídia nessa empreitada", mas não revela de onde virá o dinheiro da doação. Entre os critérios definidos pela Fiba (divididos entre esportivo e promocional, econômico e governamental), estão alguns que podem ajudar o Brasil, como a popularidade do basquete no país e o histórico de resultados, uma vez que o País é bicampeão mundial, em 1959 e 1963). Em nota, a CBB lembra que Brasil e Estados Unidos são os únicos dois países que disputaram as 16 edições do Campeonato Mundial e que o País organizou, até 2012, 33 competições internacionais da Fiba e da Fiba Américas, sendo oito Mundiais. Além disso, ressalta que a seleção masculina é 10ª colocada no ranking. A CBB não divulgou se, na carta que enviou à Fiba, anexou declarações de seus principais jogadores (Nenê, Leandrinho, Tiago Splitter e Anderson Varejão), se comprometendo a jogar o Mundial caso o Brasil conquiste a vaga. Isso porque a ausência deles é um dos empecilhos para que a vaga fique com o Brasil. Nos últimos anos, o basquete masculino nacional vem sofrendo com pedidos de dispensa de alguns dos principais jogadores, chegando ao ápice justamente na Copa América, quando todos os brasileiros que atuam NBA não foram à Venezuela. A situação provocou até críticas públicas do técnico Rubén Magnano, que cobrou maior comprometimento dos atletas com a seleção. Espanha, Estados Unidos, Angola, Egito, Senegal, México, Porto Rico, Argentina, República Dominicana, Irã, Filipinas, Coreia do Sul, França, Lituânia, Croácia, Eslovênia, Ucrânia, Sérvia, Austrália e Nova Zelândia já estão garantidos no Mundial, que será disputado entre 30 de agosto a 14 de setembro de 2014. Para as quatro vagas restantes, China, Turquia, Rússia e Itália deverão ser os principais concorrentes do Brasil. A China tem um enorme mercado consumidor, os turcos são os atuais vice-campeões mundiais, a Itália foi vice-campeã olímpica em 2004, enquanto a Rússia já venceu três Mundiais (todos ainda como União Soviética). A Venezuela deverá ser a única adversária sul-americana neste pleito. A decisão da FIBA sobre os quatro países convidados para a Copa do Mundo será divulgada durante a reunião da entidade nos dias 1º e 2 de fevereiro, em Barcelona, na Espanha.

Leia tudo sobre: basqueteesportemundialbrasilselecao brasileira