Manifestantes bloqueiam rodovias, e trânsito dá um nó

Fechamento da BR–040 por quatro horas foi o maior problema; efeito chegou ao Anel

iG Minas Gerais | José Vítor Camilo e Larissa Arantes |

Alex de Jesus
Moradores foram retirados após ordem da Justiça
A prestadora de serviços gerais Ana Cláudia Ramos, 25, torce para que não ocorra mais um protesto na LMG–808. Hoje é seu primeiro dia no novo emprego e ela não pode nem pensar na possibilidade de se atrasar. “Ontem (anteontem), perdi a entrevista por causa de manifestações. Hoje (ontem), consegui chegar porque fui a pé. Entendo que eles precisam de terra, mas não podem prejudicar toda a população humilde que vive próxima deles”. A apreensão de Ana Cláudia é a semelhante a de milhares de motoristas que ficaram presos ontem nos arredores de Belo Horizonte e Contagem, na região metropolitana. Manifestantes fecharam rodovias que dão acesso aos municípios e provocaram congestionamentos de aproximadamente 8 km. Desde a série de manifestações populares de junho, essa foi a primeira grande ação integrada de protestos com fechamentos de rodovias. Fechado . O principal problema foi causado pelo fechamento da BR–040, na altura da Ceasa, por quatro horas. A retenção alcançou o Anel Rodoviário, que registrou mais de 3 km de congestionamento, na altura do bairro Califórnia, na região Noroeste da capital. Cerca de 200 moradores da ocupação Wiliam Rosa fizeram a ação em solidariedade a outra invasão, no bairro Tupã, em Contagem, onde uma ordem de despejo foi cumprida ontem. Quem tentou trafegar entre Esmeraldas, também na região metropolitana, e Contagem, ou pelas redondezas, também encontrou problemas. Isso porque a LMG–808 ficou fechada por quase dez horas. Eram os invasores do bairro Tupã, em mobilização para tentar evitar a desocupação. Foi o segundo dia consecutivo de fechamento da via. “Estou parado aqui novamente. Eles não podem prejudicar as outras pessoas assim. Tem muito pai de família tentando trabalhar”, enfatizou o motorista de ônibus Edson Sá, 45. O auxiliar administrativo Daniel Diniz, 16, precisou caminhar mais de duas horas para voltar para casa. “Eles estão invadindo um terreno dos outros e ainda se sentem no direito de fechar pista”. Invasão . Segundo a Prefeitura de Contagem, 150 famílias viviam na ocupação de um terreno particular até que a família do dono, já falecido, ganhou na Justiça o direito de retomar a posse. “A invasão foi feita em terreno particular, em uma Área de Proteção Ambiental e estava colocando em risco a lagoa Vargem das Flores, que abastece mais de 400 mil famílias da região metropolitana”, informou o Executivo, por meio de nota.  (Com Bernardo Miranda)  Morada nova  No fim da tarde de ontem, a BR–040 foi palco de um novo protesto. Cerca de 300 moradores do bairro Morada Nova, interditaram a estrada, na altura do bairro. Eles cobravam a construção de um posto de saúde na região. Conforme informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram 6 km de congestionamentos. A rodovia ficou fechada durante três horas.    Reunião   Durante o protesto dos moradores do terreno do bairro Tupã, um grupo de dez ocupantes participou de uma reunião com representantes da Prefeitura de Contagem. Eles pediram o cancelamento da reintegração de posse, mas a prefeitura informou que se tratava de uma ordem judicial. A administração disponibilizou um abrigo para as famílias, mas o grupo não aceitou.    Jardim Vitória  Foi cumprida ontem uma ordem de reintegração de posse no bairro Jardim Vitória, na região Nordeste da capital. Famílias ocupavam apartamentos do Minha Casa, Minha Vida, mas não eram os donos. A prefeitura informou que incluiu no programa aqueles que atendiam aos critérios. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave