Mantega diz que não há data definida nem a metodologia definida para reajuste

Petrobras divulgou um comunicado para o mercado informando que a política de reajuste automático periódico dos preços do diesel e da gasolina levará em consideração fatores como o preço dos derivados no mercado internacional, taxa de câmbio e origem do derivado

iG Minas Gerais | da redação |

Marcelo Camargo/ABr
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, na abertura do 10° Fórum de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV)
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reforçou nesta quara-feira (30) que a nova metodologia para o cálculo do reajuste do preço dos combustíveis não está pronta, nem tem data para sair. O ministro ressaltou que a política não pode ser feita “no afogadilho”. Atendendo a um pedido da Comissão de Valores Mobiliários, a Petrobras divulgou um comunicado para o mercado informando que a política de reajuste automático periódico dos preços do diesel e da gasolina levará em consideração fatores como o preço dos derivados no mercado internacional, taxa de câmbio e origem do derivado (ou seja, se o petróleo é refinado no Brasil ou no exterior). “A Petrobras soltou fato relevante [comunicado], porque houve conhecimento de que se estava trabalhando em uma metodologia, aliás já faz alguns meses. Ela soltou o fato relevante porque mexe com mercado”, disse Mantega, após participar da cerimônia que marcou os dez anos do Programa Bolsa Família. “Estamos desenvolvendo esta metodologia, que é uma coisa séria e importante, que não pode ser feita rapidamente, a afogadilho”, acrescentou o ministro. Segundo nota da Petrobras, o cálculo também terá um mecanismo para impedir o repasse de volatilidade dos preços internacionais ao consumidor doméstico. Isto porque questões como demanda internacional, crises entre países e guerras podem elevar ou derrubar preços do petróleo por um curto período de tempo. De acordo com a estatal, a metodologia foi aprovada pela diretoria da empresa e apresentada ao Conselho de Administração, que, por sua vez, solicitou estudos adicionais, que já estão sendo elaborados.  

Leia tudo sobre: reajustecombustívelpetrobrasmercado