O que esperar dos brasileiros na nova temporada da NBA?

Jogadores do país terão que se esforçar para deixar papel de coadjuvantes e se transformarem em verdadeiros líderes de suas respectivas equipes

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

A temporada 2013/2014 será uma longa jornada em busca de afirmação e também de reconhecimento, principalmente por parte dos torcedores brasileiros, insatisfeitos com os constantes pedidos de dispensa da seleção feito pelos jogadores que atuam na NBA. Tiago Splitter: onde está a sua raiva? Na última temporada, o pivô Tiago Splitter esteve bem próximo de ser o primeiro brasileiro campeão da NBA, mas a oportunidade acabou esbarrando no segundo título do Miami Heat, comandado pelo trio LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh. Neste ano, é esperado um desenvolvimento ainda maior do gigante brasileiro, que ainda anda bastante tímido em suas partidas. Uma das principais cobranças em relação a Splitter é a falta de explosão do jogador em determinados momentos, algo que é bastante incomum em um pivô padrão NBA. Não há como negar uma certa evolução do jogador de uma temporada para outra, mas ainda falta muito para que Splitter substitua à altura a lenda Tim Duncan. No entanto, com uma nova temporada completamente à sua disposição, renovam-se as esperanças de um futuro melhor para Tiago, um dos jogadores brasileiros mais criticados por conta do pedido de dispensa da Copa América de Basquete, torneio em que o Brasil acabou decepcionando e agora depende de um convite para disputar o Mundial do próximo ano, na Espanha. Nenê Hilário: em busca do equilíbrio Outro brasileiro que anda devendo é Nenê Hilário, este sim, o maior alvo de críticas dos brasileiros em relação às suas constantes recusas à seleção. Durante sua passagem pelo Brasil, o pivô, que praticamente abriu as portas da NBA para os jogadores do país, provou um pouco da fúria da comunidade do basquete com vaias bastante intimidadoras. Se Nenê anda em falta com o Brasil, o mesmo pode se dizer do seu desempenho pelos Wizards. Apesar de ter melhorado seu aproveitamento em relação às últimas três temporadas, Nenê ainda busca o equilíbrio na jovem equipe de Washington, liderada pelo armador John Wall, um astro na Universidade de Kentucky, mas que ainda não demonstrou toda a sua qualidade na NBA. Mesmo com algumas limitações evidentes, o plantel dos Wizards é bem melhor do que o da última temporada, ainda mais com a chegada do ala-pivô Marcin Gortat. Com seis anos de experiência na liga, o jogador pode acrescentar bastante no jogo de garrafão dos Wizards, aumentando assim as chances de vermos um Nenê mais produtivo e, quem sabe, voltando a disputar a pós-temporada. Tempo de preparação, Nenê parece ter tido de sobra. Em entrevista coletiva realizada no Rio de Janeiro (RJ), o técnico do Washington Wizards, Randy Wittman, assumiu a culpa pela não-liberação de Nenê à seleção brasileira, tudo por conta de uma melhor preparação para a nova temporada da NBA. Inteiro e 100% fisicamente, o pivô brasileiro poderá fazer estragos. Vitor Faverani: a grata surpresa E parece que a era de gigantes brasileiros na liga norte-americana ganhou um reforço importante. Selecionado no draft desta temporada, Vitor Faverani poderá se transformar em uma grata surpresa. Potencial ele tem de sobra e já andou mostrando isso nos jogos preparatórios. Com a camisa do Boston Celtics, o ala-pivô brasileiro, nascido em Porto Alegre (RS) e que fez praticamente toda a sua carreira no basquetebol espanhol, vem demonstrando um talento em quadra que impressiona. Dentre todos os jogadores brasileiros, ele poderá deixar o lado coadjuvante para virar referência, isto porque os Celtics passam por um momento de reformulação profundo. Do time campeão na temporada 2007/2008, apenas Rajon Rondo permanece como grande destaque. Ray Allen foi o primeiro a debandar do barco, seguido no fim da última temporada por Paul Pierce e Kevin Garnett, que agora defendem o Brooklyn Nets. Esses motivos levam a crer que, progressivamente, é esperado mais minutos de jogo para Faverani. É bom ficar de olho no desempenho desse jogador! Anderson Varejão: entre lesões, quedas e glórias Último jogador brasileiro assegurado na próxima temporada da NBA, o pivô Anderson Varejão seguirá sua missão de lutar contra as lesões que interromperam a sequência de um desempenho monstruoso registrado na primeira parte da última jornada. Em termos estatísticos, Varejão é o melhor jogador brasileiro na liga norte-americana, principalmente no quesito duplo-duplo, especialidade do pivô dos Cavaliers em 2012/2013. Com a saída de LeBron James dos Cavaliers há três temporadas, o brasileiro se transformou em um dos líderes da equipe, que conta com um plantel bastante jovem. Seu desempenho nesta nova temporada está intrinsecamente ligado à recuperação da lesão sofrida no quadríceps da perna direita, que originou dois coágulos, resultando em uma embolia pulmonar. Durante a pré-temporada, ele foi utilizado nas partidas com muita moderação pela comissão técnica dos Cavs, que esperam um jogador muito mais resistente à desgastante sequência de compromissos da NBA. Os que lutam por contratos Enquanto isto, outros três jogadores brasileiros estão de stand by na NBA, o melhor deles é sem dúvida Leandrinho, que permanece em busca de um contrato após ser dispensado pelo Boston Celtics. Já Scott Machado e Fab Melo, selecionados no draft do ano passado, permanecem em sua via-crúcis. Recentemente, Machado, um bom armador durante sua passagem pelo College Basketball, acabou dispensado pelo Utah Jazz. 

Leia tudo sobre: basquetenbajogadoresbrasileirosdestaques