Gasto com empregado doméstico sobe 164% em 10 anos, aponta IPCA

Despesas com serviços de depilação, que ficaram 144,55% mais caros em dez anos, com manicure (107,66%) e cabeleireiro (100,51%) também foram os destaques

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

STOCKXPERT/ARQUIVO
Procura por outros ramos e informalidade fazem categoria sumir do mercado
Os preços dos serviços, que pesam um pouco mais de um terço no orçamento das famílias, dobraram em dez anos. Isso mudou o modo de vida dos brasileiros. Menos idas ao restaurante, negociação de pacotes com cabeleireiros, eletrodomésticos "possantes" em casa e uso de equipamentos automáticos em condomínios para reduzir a dependência dos serviços da empregada doméstica e dos porteiros, por exemplo, foram algumas das saídas para driblar a pressão de preços. Para uma inflação geral ao consumidor de 69,64%, acumulada entre setembro de 2003 e o mesmo mês deste ano, os serviços subiram 102,4%, aponta um estudo feito a pedido do Estado pela LCA Consultores. Com base nos dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a consultoria reuniu os preços dos serviços em dez grupos e constatou que em nove deles a alta acumulada em dez anos superou a inflação geral. Em três grupos, o aumento de preços em dez anos ficou acima da elevação média dos serviços. O campeão de alta de preço dos serviços foi o gasto com empregado doméstico, que subiu 164,25% no período, seguido pela alimentação fora do domicílio (131,68%). Despesas com serviços de depilação, que ficaram 144,55% mais caros em dez anos, com manicure (107,66%) e cabeleireiro (100,51%) também foram os destaques. Estratégias. Os preços dos serviços dispararam e o brasileiro criou estratégias defensivas. "Dei um basta na alta dos preços dos serviços", diz Lilian Elizabeth Bizio, 49 anos, casada e mãe de uma filha de 17 anos. A contabilista, que há 30 anos ocupa o cargo de controller em empresas, decidiu empregar as técnicas que usa no seu trabalho em casa para identificar as despesas que corroem o orçamento. "O meu orçamento doméstico é desmembrado por centros de custo. Eu, meu marido e a minha filha, cada um é um centro de custo", conta. Lilian frisa que o controle, feito de forma "feliz", foi o caminho para identificar gastos elevados. Nas despesas com cabeleireiro, Lilian negociou "pacotes". "Comprando um número de manicures e cortes e pagando à vista, economizei 15%." Já a saída para reduzir o gasto com empregada foi diferente. "Investi na casa para que ficasse automática e simples", diz Lilian. Até 2008, ela tinha uma empregada que chegava no domingo à noite e ia embora na sexta à noite. Agora, a jornada é das 7h às 13h e de segunda a sexta. Assim como Lilian, que aplicou a rotina do trabalho para cortar despesas com serviços, o engenheiro Odinir Penteado de Souza Junior, 48 anos, automatizou portas e instalou circuito de TV para reduzir gastos com mão de obra no condomínio no qual é síndico. Com o torno automatizado na indústria é possível ter rendimento maior do que com um manual, compara. Hoje, o valor do condomínio que ele administra é de R$ 900. Os gastos com salário respondem por mais de 50% desse valor. Com as pressões de custos advindas da mão de obra, havia necessidade de reajustar o valor para R$ 1,2 mil, mas ele conseguiu mantê-lo.  

Leia tudo sobre: inflaçãoserviços domésticosaltapreços