Diretor do Criciúma chama Comissão Nacional de Arbitragem de 'covarde'

Jogadores, comissão técnica e diretoria do Tigre consideram expulsão de Sueliton, logo no início do segundo tempo, como fator determinante para mais um tropeço no Brasileirão

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A vitória do Cruzeiro sobre o Criciúma por 5 a 3, nesse, em duelo realizado no Mineirão, válido pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro continua dando o que falar nos bastidores. Depois das lamentações do técnico Argel Fucks, quem resolveu vir a público foi o diretor de futebol do Criciúma, Cícero Souza. Ele não poupou críticas a Wilton Pereira Sampaio, juiz que comandou a partida entre Raposa e Tigre, e chamou a comissão nacional de arbitragem de "covarde". "Eles são covardes e não vão dar justificativas, porque a televisão do Brasil inteiro vai mostrar que estão errados. Só que no final da competição, quando o Criciúma ser prejudicado ou o Cruzeiro beneficiado dos pontos que estiveram em jogo, isso vai ficar no passado e ninguém vai levantar a voz. Que não sejam covardes e deem justificativas. Não estamos dizendo que ninguém nos roubou ou que alguém é ladrão. Estamos acusando a arbitragem do jogo de covarde e de passiva, e que o chefe e o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem também são", declarou Cícero. "Não adianta se buscar a profissionalização se no comando estivermos dois covardes, duas pessoas que não vão se manifestar, que não tem condições de defender os erros técnicos e as interpretações covardes da arbitragem", completou Cícero. Seguindo o discurso de jogadores e comissão técnica, o diretor do Criciúma também qualificou o tropeço do Tigre fora de casa à expulsão do lateral Sueliton aos três minutos do 2ºT. "Ele foi decisivo quando expulsou nosso jogador aos 3 minutos do segundo tempo. Não sei se o jogo teria o mesmo resultado, mas certamente seria uma outra situação", concluiu. Com a derrota, o Criciúma segue na 18ª posição, com 32 pontos conquistados, quatro a menos que o Fluminense, primeira equipe fora da zona de rebaixamento.