Tema da redação do Enem surpreende candidatos este ano

Eles se preparam para escrever sobre o leilão do pré-sal e as manifestações populares deste ano, mas mesmo assim acharam fácil falar sobre o tema

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano surpreendeu muita gente. O palpite da maioria dos candidatos era de que teriam que escrever sobre as manifestações populares que ocorreram no país em junho ou o leilão do pré-sal, mas eles estava enganados. O tema foi a Lei Seca e, mesmo contrariando as expectativas, foi bem recebido pela maioria. "O tema foi fácil, apesar de eu não ter estudado sobre o assunto, mas como sempre vejo reportagens e o tema me interessa, já que sou motorista, acho que fui bem. Falei que no começo a Lei Seca era muito branda, não tinha punição para os motoristas infratores, mas depois ela foi ficando mais rigorosa e, hoje sim, os motoristas estão mais conscientes", contou o salva-vidas Diego Cezar, 26, que fez a prova na Puc Coração Eucarístico para tentar Educação Física na universidade. Ele foi o primeiro a acabar o teste, saindo do prédio às 15h, logo após o abrimento dos portões. No entanto, a prova de matemática, foi a que mais teve reclamações sobre o conteúdo. "Eu tive que chutar em muitas questões, estava bem difícil", disse Diego. A opinião foi compartilhada por Graziele Nascimento, de 17 anos, que fez o seu primeiro Enem este fim de semana, para tentar a vaga no curso de Ciências Sociais. Mas assim como Diego, a adolescente conta que se surpreendeu com o tema da redação, mas que também achou fácil. Cristiane Rodrigues, 23, está tentando o curso de Direito e também achou a redação tranquila, apesar de ter se preparado para escrever sobre o pré-sal. "No meu texto, procurei valorizar a vida, ou seja, falei sobre a Lei Seca, mas tendo em vista sobre como isso é importante no sentido de priorizar a vida das pessoas", contou. Ela também foi uma das primeiras a sair da prova e conta a sua estratégia: "terminei rápido porque não perdi tempo fazendo as questões que eu não sabia em matemática, simplesmente fiz as que sabia e chutei as outras". Atrasados O primeiro candidato que perdeu a chance de fazer o Enem, foi Daniel Queiroz, 21, que chegou 10 minutos após o fechamento dos portões para o início do teste, que começou às 13h. Ele contou que acordou às 11h30 e percebeu que havia perdido o comprovante de inscrição, necessário para fazer a prova. "Saí correndo e tentei achar uma lan house no caminho, moro no Padre Eustáquio e ia fazer a prova no Coração Eucarístico, mas não encontrei nenhum local pra imprimir o comprovante e atrasei do mesmo jeito", conta Daniel, que pretende fazer o curso de Educação Física. Frankiele da Silva, 18, que chegou pouco depois de Diego, também não conseguiu fazer a prova. Ela contou que o motivo do atraso foi a espera pelo transporte. "Moro no Santo André e precisava chegar no Coração Eucarístico. Saí de casa 11h30 e fui pro ponto de ônibus, mas fiquei esperando 50 minutos. Ele só passou 12h40", contou, arrasada. Mas apesar das lágrimas, a jovem conta que pretende tentar novamente no ano que vem. "Medicina é o meu sonho desde criança". A candidata Daniela Freitas, de 22 anos, também chegou atrasada para fazer a prova do Enem no bairro Coração Eucarístico. Segundo ela, o motorista do ônibus em que estava foi obrigado a desviar o trajeto por conta de um outro coletivo que estava pegando fogo em uma rua do bairro Cidade Industrial, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Atualmente, Daniela faz o curso de pedagogia na Puc, mas ia tentar uma vaga na federal. A Transcon não confirmou a ocorrência do ônibus queimado.  E na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na região da Pampulha, um candidato pulou o muro para fazer a prova, após chegar atrasado. Ele foi visto por uma pessoa que o denunciou e acabou sendo expulso do local. A informação foi confirmada por um funcionário da UFMG.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave