Tempo de segundo dia de prova do Enem é insuficiente, diz especialista

O horário delimitado do teste seria pouco devido ao tamanho dos enunciados e redação

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O tempo de cinco horas e meia para que o candidato resolva as questões e escreva a redação no segundo dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é insuficiente, de acordo com análise do especialista e presidente de honra do Cursinho Henfil de São Paulo, Mateus Prado. Segundo ele, a prova tem 180 questões e a maioria exige muita leitura. "Não dá tempo do aluno bem preparado fazer tudo. Se fez a redação, teve que chutar alguma", diz. As questões eram de linguagem, códigos, matemática e suas tecnologias. O tema da redação foi Efeitos da Implantação da Lei Seca no Brasil. O Enem abordou temas como Tropicalismo e novas tecnologias. Entre os itens foram citados artistas da música como Rita Lee, Noel Rosa, João de Barro, Dolores Duran, Ary Barroso, Lamartine Babo, Tom Jobim e Vinicius de Moraes. A questão, que trata do movimento musical da década de 1960, o Tropicalismo, segundo o professor exigia conhecimentos além dos que são dados em sala de aula. Na prova há também, como sábado (26), questão sobre índios, que trata de comunidades tradicional, citando a obra As razões de Ser Guarani-Kaiowá, de Rafael Azzi. Parte da letra de Até quando? de Gabriel, o Pensador, também aparece, em questão sobre linguística. Prado diz que a prova deste domingo (27), diferentemente da do dia anterior, manteve o padrão que vem sendo usado nos exames dos anos anteriores, com questões que exigem muita interpretação de texto. O nível também foi semelhante. Ele reforça que a prova de sábado foi mais difícil que a dos anos anteriores. Pela fórmula de cálculo das notas do Enem, que confere mais pontos a questões acertadas por menos candidatos, os estudantes que acertaram mais questões no sábado têm chances de ter uma nota melhor, estima. Sobre a redação, ele diz que o tema é pertinente, mas que a forma como está enunciado induz o candidato a não apresentar uma proposta. Pelo edital do Enem, o candidato deve apresentar um argumento e uma proposição. Segundo ele, a tendência do aluno será listar os efeitos da Lei Seca, apenas. "O problema é o álcool no volante e a solução já é a própria lei. Acho que isso vai confundir os candidatos", diz. As redações serão avaliadas de acordo com cinco competências: domínio da norma-padrão da língua escrita; compreensão da proposta da redação e aplicação de conceitos de diversas áreas do conhecimento para desenvolver o tema; capacidade de selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações para defender um ponto de vista; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e elaboração de proposta de intervenção ao problema abordado, respeitando os direitos humanos. A estrutura deve ser dissertativo-argumentativa, ou seja, os candidatos devem expor argumentos relacionados ao tema da redação, elaborando-os de forma consistente e coerente. O número mínimo de linhas é oito e o máximo 30. As redações com sete linhas ou menos receberão nota zero. O horário da prova do Enem encerrou-se às 18h30. Os candidatos começaram a fazer a prova às 13h, no horário de Brasília. A edição de 2013 teve número de inscrições recorde: mais de 7,1 milhões de estudantes. As provas foram aplicadas em 1.161 cidades e 16.355 locais de prova. Os gabaritos dos dois dias de provas serão divulgados até o dia 30, no endereço www.enem.inep.gov.br. O serviço de atendimento do Ministério da Educação também é feito pelo telefone 0800-616161. Com Agência Brasil.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave