Em dia de festa, Palmeiras precisa do empate para subir

Fazendo campanha histórica, Verdão lidera a Série B com folga, somando 68 pontos em 31 rodadas

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Falta pouco para acabar a agonia. Há cinco meses, o Palmeiras estreava na Série B com uma magra vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-GO e começava uma longa e dura batalha para voltar à elite do futebol brasileiro. Neste sábado, nem é preciso vencer. Um simples empate contra o São Caetano, a partir das 16h20, no Pacaembu, já garante o acesso palmeirense. O cenário e o momento para essa ressurreição não poderiam ser melhores. Fazendo campanha histórica, o Palmeiras lidera a Série B com folga, somando 68 pontos em 31 rodadas. Para conseguir o acesso antecipado, basta um empate contra o São Caetano, time que está na zona de rebaixamento. Mas a expectativa é pela vitória, principalmente por ser o reencontro palmeirense com sua torcida no Pacaembu - como cumpriu punição imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), já são seis jogos seguidos fora de casa. É difícil encontrar um torcedor palmeirense que não acredite que o acesso aconteça já neste sábado - a festa está armada e o Pacaembu estará lotado. E essa confiança contagia naturalmente o elenco. Por isso, o desafio da comissão técnica durante a semana foi manter os jogadores com os pés no chão. Na sexta-feira, por exemplo, o treino parecia véspera de uma decisão. Os atletas disputaram um animado rachão, diante de um número muito maior de jornalistas do que o convencional. A equipe conta ainda com o retorno do meia Valdivia, que foi desfalque nas últimas cinco rodadas - estava na seleção chilena e voltou com dores no joelho, o que fez ser poupado. "Quando ele está em campo, junto dele tem a genialidade e uma leitura do jogo que só ele enxerga", resumiu o técnico Gilson Kleina, feliz com a presença do principal astro do time no jogo do acesso. Outra estrela deste sábado é a camisa. O time entrará em campo com um uniforme semelhante ao da seleção brasileira utilizado em 1965, quando o Palmeiras representou o Brasil num amistoso diante do Uruguai para inaugurar o estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. Assim, os palmeirenses deixam de usar o tradicional verde para adotar o verde e amarelo, com calções azuis e meias brancas. E, para enterrar de vez a temporada frustrante de 2012, que culminou com o rebaixamento para a Série B, a atual diretoria acertou na sexta-feira o pagamento do último dos três meses de direitos de imagem do elenco que foram deixados em atraso pelo ex-presidente do clube, Arnaldo Tirone. TIMES - Em relação à escalação palmeirense, a principal novidade é o retorno de Valdivia. Mas Gilson Kleina também optou pela entrada do atacante Ananias, no lugar do suspenso Leandro, e manteve o zagueiro André Luiz na equipe, já que o titular Vilson não se recuperou das dores no joelho e foi vetado pelos médicos.

Leia tudo sobre: palmeirasserie bretornobrasileiroelite