Cruzeiro sai na frente, se complica, mas reage e vence o Criciúma no Mineirão

Everton Ribeiro, Dagoberto (2) e Borges (2) fizeram os gols que garantiram a vitória da equipe celeste no Gigante

iG Minas Gerais | ANTÔNIO ANDERSON |

Em um jogo complicado, em que o time saiu na frente, mas chegou a ficar atrás no marcador no intervalo do primeiro para o segundo tempo, o Cruzeiro venceu o Criciúma por 5 a 3, neste sábado, no Mineirão, e agora pode estar a duas vitórias de conquistar o tricampeonato brasileiro. Everton Ribeiro, Dagoberto (2) e Borges (2) garantiram a vitória da equipe celeste, que pode ser campeã se vencer o Santos, fora, e o Grêmio, em casa. Com Dagoberto de volta ao time para fazer a função de puxar os ataques, a equipe celeste começou a partida mostrando uma superioridade ofensiva, anulando o meio-campo do Criciúma e procurando ditar o ritmo do jogo. Atuando com vários desfalques, os catarinenses tinham como proposta inicial de primeiro se defender e depois tentar surpreender nos contra-ataques. Com mais posse de bola e chegando em velocidade pelas laterais, o Cruzeiro abriu o placar aos 12 min. Ceará cruzou da direita, a zaga do Criciúma aliviou mal, e a bola sobrou para Everton Ribeiro, que bateu sem chances para o goleiro Galatto. Superior em campo, o time celeste ampliou a vantagem aos 18 min. Everton Ribeiro tabelou com Dagoberto, que bateu no canto direito. A vantagem no placar fez o Cruzeiro diminuir o ritmo de jogo e o Criciúma acabou diminuindo a vantagem celeste aos 33 min. O volante Henik foi derrubado na entrada da área. O volante João Vitor cobrou no canto esquerdo de Fábio, que não teve como defender. A Raposa ainda teve uma boa chance de ampliar com o atacante Borges, que parou em uma boa defesa de Galatto. Mas foram os catarinenses, que acabaram surpreendendo e virando o jogo ainda no primeiro tempo. O Tigre empatou a partida aos 41 min, com o atacante Lins e virou aos 45 min, com o meia Ricardinho. Dois gols em vacilos da defensiva cruzeirense. O Cruzeiro voltou para a etapa complementar ouvindo das arquibancadas o pedido de “raça”. Dentro de campo, os jogadores celestes entenderam o recado e pressionaram o Criciúma ainda em seu setor defensivo. A situação da equipe catarinense ficou ainda mais difícil aos 3 min após a expulsão do lateral-direito Sueliton. Com um atleta a mais e chegando com perigo pelas laterais, a Raposa acabou chegando ao empate aos 12 min, com o atacante Borges. O Cruzeiro se arriscou ao ataque e praticamente não sofreu pressão do Criciúma, que jogava atrás e fazia cera para tentar segurar o empate. Com mais posse de bola, a Raposa acabou chegando ao quarto gol aos 30 min com Borges de cabeça, após cruzamento de Elber. No embalo de sua torcida, a Raposa fechou o placar com Dagoberto cobrando pênalti, aos 39 min.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposaserie abrasileirovitoriacriciumalider