Promessa de fortes emoções com Davi

Pracinha da FEB, jovem é ferido na Segunda Guerra Mundial e fica paraplégico

iG Minas Gerais |

Globo
Leandro Lima pesquisou a fundo como é a vida de cadeirantes
São Paulo. O drama de Davi, vivido por Leandro Lima, promete fortes emoções em “Joia Rara” (Globo). Ferido após lutar na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o pracinha ficou paraplégico, condição que motivou Lima a pesquisar sobre o assunto. “Tenho um primo cadeirante e conversei com o músico Marcelo Yuka (da banda O Rappa), que me relatou experiências valiosas. Também usei cadeira de rodas em casa e pelas ruas de São Paulo”, conta Lima. Na trama, além de se adaptar a uma nova realidade, Davi se apaixona pela dançarina Aurora (Mariana Ximenes). “Eles se conhecem em uma situação não muito confortável, mas acabam se apaixonando”. Nos próximos capítulos de “Joia Rara”, Aurora faz questão de convidá-lo para sua estreia no cabaré. Encantado com o show, ele vai ao camarim dela e fica decepcionado ao vê-la com Manfred (Carmo Dalla Vecchia). “Haverá muitos encontros e desencontros. Torço para que eles fiquem juntos, e para que o público possa se emocionar com a história”, diz Lima. Por conta do folhetim, o ator deixou o curso de teatro no Instituto Lee Strasberg, em Nova York. Além disso, ele segue paralelamente a carreira de modelo, com a qual ficou conhecido após estrelar campanhas publicitárias no Brasil e na Europa. “Comecei a trabalhar como modelo um pouco tarde para os padrões, mas a experiência de vida que adquiri por atuar no exterior nenhuma faculdade me daria”, conta. “Antes de ser modelo, eu já tinha feito curso de teatro e já era formado em comunicação”, complementa Lima, que chegou a participar de novelas da Globo, como “Insensato Coração” (2011). “O Patrick foi meu primeiro personagem em uma novela e me ensinou um pouco sobre TV”, fala, sobre o primeiro marido da personagem da atriz Maria Clara Gueiros.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave