Joseph Blatter defende mais vagas para seleções africanas na Copa do Mundo

Declaração também pode ser vista como uma tentativa de aumentar o apoio para a busca de uma nova reeleição para a presidência da Fifa em 2015

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Divulgação/Fifa
Blatter afirma achar que a África está sub-representada na Copa do Mundo
O presidente da Fifa, Joseph Blatter, defendeu que as seleções do continente africano tenham mais vagas na Copa do Mundo, com a intenção de aumentarem as suas chances de conquistar o até agora inédito título mundial. Na Copa de 2014, no Brasil, com 32 participantes, a África será representada por cinco seleções. A Europa, continente com maior representatividade no Mundial, tem direito a 13 vagas, mesmo que conte com 53 nações, uma a menos do que a África. Assim, para Blatter, o continente está "lamentavelmente sub-representado na Copa do Mundo". "Enquanto isso continuar acontecendo, as seleções africanas nunca poderão ganhar um troféu intercontinental, independentemente do seu progresso em campo", escreveu Blatter em sua coluna na revista da Fifa, publicada nesta sexta-feira. "Esta situação imperfeita deve ser corrigida. No final do dia, uma chance igual para todos é o imperativo primordial do esporte de elite." Anteriormente, Blatter já havia pedido aos dirigentes do futebol asiático que pressionassem para aumentar o número de vagas do continente na Copa do Mundo, atualmente em quatro - uma quinta seleção disputa outra vaga em uma repescagem mundial. A declaração desta sexta-feira também pode ser vista como uma tentativa de aumentar o seu apoio para a busca de uma nova reeleição para a presidência da Fifa em 2015. "De uma perspectiva puramente esportiva, eu gostaria de ver a globalização levada a sério, e as associações nacionais africanas e asiáticas recebendo o status que elas merecem na Copa do Mundo", disse Blatter. Chegar às quartas de final foi o que de melhor as seleções da África fizeram na história da Copa do Mundo, em 1990, 2002 e 2010, com Camarões, Senegal e Gana, respectivamente.

Leia tudo sobre: futebolesportejoseph blatterfifapresidenteselecoes africanasafricacopa do mundomundialvagas