A Cortina de Ouro que divide o Brasil

As necessidades dos pobres e os privilégios dos ricos

iG Minas Gerais |

Em uma noite morreram 359 pessoas tentando atravessar o Mediterrâneo. De países pobres para países ricos. Estima-se que 280 morrem, em um único ano, tentando atravessar a fronteira entre a América Latina e os Estados Unidos, contra 809 que morreram tentando pular o Muro de Berlim em todos os 28 anos de sua história. O número de mortes é muito maior se considerarmos os milhões que morrem por não ter dinheiro para saltar os muros dos bons hospitais em busca de atendimento médico com qualidade. O mundo derrubou a Cortina de Ferro, separando a escassez nos países socialistas dos benefícios nos países capitalistas, e construiu uma Cortina de Ouro que serpenteia o planeta por dentro de cada país, separando as necessidades dos pobres dos privilégios dos ricos. O que aconteceu à margem da ilha de Lampedusa chamou a atenção pelo tamanho da barbaridade concentrada em uma noite sobre emigrantes tentando sair da pobreza da África para a riqueza da Itália. Mas todos os dias morrem muito mais pessoas por não conseguir saltar os muros que fazem parte da Cortina de Ouro que cercam as boas escolas para impedir que nelas entrem crianças de famílias de baixa renda. De um lado do muro, uma famosa foto mostra o edifício de apartamentos de luxo no bairro Higienópolis de São Paulo e, no outro, uma favela chamada Paraisópolis. A escada que permitiria o salto de um lado para o outro seria colocar as crianças dos dois lados em escolas com a mesma qualidade. Mas a Cortina de Ouro está sendo consolidada entre os países por muralhas ou pela polícia de fronteira; e dentro de cada país, visíveis ou não, pelos muros de shopping centers, escolas, hospitais e condomínios. Em vez de espalhar os benefícios construídos pela modernidade, a civilização parece estar preferindo fazer uma humanidade dividida. O Brasil é um exemplo. Somos um país dividido, com a população separada por uma Cortina de Ouro. A tarefa dos abolicionistas foi derrubar, por meio de uma lei, o muro que separa escravos negros de brancos livres. A Cortina de Ferro foi derrubada pelos martelos nas mãos dos moradores de Berlim Oriental. A derrubada da Cortina de Ouro só será possível com leis que assegurem ao professor brasileiro ser tratado com o máximo reconhecimento. Mas parece que estamos longe disso. Talvez não seja coincidência que, no mês em que morrem africanos fugindo para a Itália, nas vésperas do Dia do Professor, tenhamos mestres em greve no Brasil, em busca de pequenos aumentos salariais. Alguns deles sendo vítimas de violência policial. Ao cometer o crime de depredar bens públicos e privados, os manifestantes, ao lado dos professores, estão provavelmente sem saber e por caminhos errados lutando para derrubar a Cortina de Ouro, como os berlinenses fizeram com a Cortina de Ferro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave