PMs filmados depredando carro são denunciados por MP em Uberlândia

Crime aconteceu em dezembro de 2012; militares ressarciram o prejuízo material do propritário e foram penalizados pela Justiça Militar a prestaram serviços a comunidade

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

O Ministério Público (MP) em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, entrou com uma ação de improbidade adminisitrativa (conduta indevida do funcionário público) contra seis policiais militares, nessa quinta-feira (24). Eles são acusados de terem depredado um carro. A promotoria divulgou um vídeo onde os homens são flagrados cometendo o crime. Segundo o promotor Genney Randro Barros de Moura, o dono do veículo teria o estacionado em frente a um estabelecimento e quando retornou para buscá-lo, o encontrou com as portas amassadas e pneus cortados. Como ninguém teria visto o que aconteceu, o homem acionou o MP, que investigou o fato. Foi descoberto que uma câmera de segurança na Rua Rodrigo da Cunha, no bairro Martins, filmou toda a ação, que durou uma 1h20, realizada em 07 de dezembro de 2012, e com isso foi possível identificar os militares. “Eles (policiais) disseram que tinha uma denúncia contra o carro, mas teriam que ter registrado a ocorrência e removido o carro. Para quê a depredação gratuita?”, questionou Moura. De acordo com o assessor de comunicação organizacional da 9ª região de Polícia Militar, capitão Miller França Michalick, um inquérito policial foi realizado e os policiais foram indiciados pelo crime militar de dano. O processo foi finalizado em abril desde ano e encaminhado para a Justiça Militar. Como o crime é considerado de menor potencial ofensivo, os seis militares foram condenados a prestar serviços comunitários. Ainda segundo o capitão, os policiais reconheceram o erro da conduta e por isso ressarciram o prejuízo material do proprietário do veículo. “Era uma operação sigilosa em conjunto com o Ministério Público e a Polícia Civil, e houve um erro de objeto”, argumentou Michalick. Porém, não foi revelado o que motivou os policiais à depredação. Está em andamento um procedimento administrativo para apurar a responsabilidade pela ação. Os militares continuam trabalhando normalmente. “São excelentes policiais. Não há registro de outros desvios de conduta”, afirmou Michalick