Fifa reduz margem de erro de tecnologia da linha do gol

Manual permite uma variação de 3cm para mais ou para menos atualmente, mas a nova versão do documento vai limitar essa margem de erro para 1,5cm

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

REPRODUÇÃO/FIFA
Tecnologia visa acabar com dúvidas em lances cruciais
A Internacional Board, entidade que reúne as quatro federações britânicas de futebol e a Fifa, se reuniu nesta quinta-feira em Zurique (Suíça), na sede da Fifa, no seu Encontro Anual de Negócios (ABM, na sigla em inglês). Ali, na presença do presidente Joseph Blatter e do secretário-geral Jérome Valcke, deliberou mudanças no manual técnico da tecnologia da linha do gol. A principal alteração, que vai começar a valer em outubro de 2014, daqui a um ano, é a diminuição na margem de erro aceita. Atualmente o manual permite uma variação de 3cm para mais ou para menos. Mas a nova versão do documento, chamada pela Fifa de Manual 2014, vai limitar essa margem de erro para 1,5cm. Pelo que explicou a Fifa, as mudanças foram possíveis graças ao feedback recebido depois da utilização da tecnologia no Mundial de Clubes do ano passado e da Copa das Confederações deste ano. Em abril de 2014 começa a valer um período de testes da tecnologia, em que precisa seguir o Manual 2012. Em outubro passam as ser cobradas as exigências do Manual 2014, mais rígido. A reunião desta quinta-feira também discutiu mudanças no processo de governança da Internacional Board. O grupo segue restrito aos britânicos, como decidido na Reunião Geral Anual de março passado, mas vai ganhar dois painéis consultivos, agregando outros setores e entidades. Há duas semanas, a Fifa anunciou que definiu a empresa que fornecerá e implementará nos estádios o sistema tecnológico para detectar se a bola ultrapassou a linha do gol na Copa do Mundo de 2014. Será a empresa alemã GoalControl GmbH, que também será usada no Mundial de Clubes deste ano, no Marrocos, em dezembro. O sistema tecnológico da GoalControl já havia sido utilizado na Copa das Confederações, e a Fifa considerou o seu funcionamento um êxito, mesmo que nenhum lance duvidoso tenha sido registrado durante a disputa do torneio, em junho, realizado no Brasil. A adoção da tecnologia visa acabar com a possibilidade de dúvidas em lances no qual o olho humano dos árbitros não é capaz de acompanhar a bola. Na Copa do Mundo de 2010, a bola ultrapassou a linha do gol em uma finalização de Frank Lampard, em duelo entre Inglaterra e Alemanha, mas a arbitragem não viu que ela entrou, causando polêmica.

Leia tudo sobre: fifafutebolesportetecnologia linha do gol