Dagoberto leva vantagem na briga acirrada pela vaga de Goulart

Embora não tenha marcado muitos gols, camisa 11 é o mais acionado e que vem de maior sequência em relação aos outros cinco concorrentes

iG Minas Gerais | RÔMULO ABREU |

Denilton Dias / Vipcomm
Dagoberto foi o maior destaque do Cruzeiro no primeiro semestre, antes de se lesionar
Titular do Cruzeiro desde que Diego Souza foi vendido ao Metalist da Ucrânia, o meia-atacante Ricardo Goulart teve lesão na panturrilha esquerda confirmada nessa quarta-feira. Com isso, uma vaga no bloco ofensivo do Cruzeiro está em aberto e a fila para ocupá-la é grande. Pelo menos seis jogadores do elenco celeste estão na expectativa de ocupar o lugar do camisa 31, que está fora de combate por tempo indeterminado. Os veteranos Dagoberto e Júlio Baptista disputam a vaga com os jovens Elber, Alisson e Lucca, além de Luan, que também pode surgir no setor. Todos eles já compuseram o setor ofensivo celeste nesta temporada em alguma ocasião. Dagoberto sai na frente nesta briga, já que, além de ser o preferido da torcida, que sempre pede sua entrada nos jogos, ele foi quem mais substituiu Ricardo Goulart ao longo faz partidas, entrando quatro vezes na vaga do Rambo Azul, além de ter assumido o posto no duelo com o Internacional, pela 24ª rodada do Brasileirão, quando o titular teve que cumprir suspensão. Os outros concorrentes tem mais 'equilíbrio' na disputa neste aspecto. Júlio Baptista atuou na posição de Goulart contra o Bahia, pela 18ª rodada, e foi titular no jogo anterior, diante do Vasco, mas naquele caso, ele revezou a função com o camisa 31, ora criando, ora mais avançado no ataque. Lucca, Luan e Elber também já foram acionados para o lugar do meia-atacante, uma vez cada. Outros jogadores que também substituíram Goulart foram Tinga (duas vezes), Henrique e Anselmo Ramon, mas alterando o esquema tático da equipe, além de Martinuccio, que poderia ser opção, mas está machucado. Embora seja o mais cotado para assumir o posto, Dagoberto ainda precisa provar seu valor para voltar ao time titular nesta reta final de campeonato. O camisa 11 fez 17 jogos neste Brasileirão e marcou apenas dois gols, média de 0,11 por partida. Leva-se em conta que ele ficou parte do certame afastado por lesão e quando voltou perdeu espaço para Willian. Ainda pesa a favor de Dagol o fato de vir de uma sequência maior, participando das últimas nove rodadas. Se for o escolhido de Marcelo Oliveira para substituir Ricardo Goulart, Dagoberto terá que se adaptar à função no meio-campo, já que costuma atuar mais aberto pelas beiradas do campo. Mesmo caso do jovem Elber, além de jogadores como Lucca e Luan, que têm características de jogar mais avançados no ataque. Júlio Baptista é o mais versátil dos concorrentes, por ter jogado em várias posições ao longo da carreira. No Cruzeiro, ele encaixou melhor atuando no ataque, como 'falso 9', sobretudo pela velocidade que o setor ofensivo do Cruzeiro tem. Quando atuou na criação, o veterano brecou um pouco essa leveza do time. Entretanto, no quesito efetividade, Júlio Baptista tem larga vantagem sobre os outros, já que marcou quatro gols em cinco partidas disputadas, média de 0,8 bolas na rede por jogo. Os números dos demais no Campeonato Brasileiro são: Luan, 15 jogos e cinco gols (média de 0,3), Lucca, nove jogos e um gol (média de 0,11), Elber, seis jogos e um gol (média e 0,16) e Alisson, oito jogos e nenhum tento.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposadagobertoricardo goularttitularvagadisputa