Torcida comparece à Toca, leva apoio e pede que equipe não perca o foco

Cruzeirenses ressaltaram a importância de se demonstrar apoio ao time, que vem oscilando nas últimas rodadas do Brasileirão

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

Joao Godinho/O Tempo
Celestes mostram seu apoio à equipe, que se aproxima do tricampeonato brasileiro
Os torcedores do Cruzeiro não querem nem saber de ver o time perder o foco nesta reta final de Brasileirão. Por isso, cerca de 70 apaixonados pela Raposa estiveram presentes na entrada da Toca da Raposa II, na tarde desta quinta-feira, para mostrar o seu apoio à equipe. A maior parte deles eram integrantes da Máfia Azul, que trouxeram bandeiras e instrumentos de percussão, itens que a organizada está proibida de levar para qualquer estádio do país durante os próximos cinco meses. A Raposama, de Congonhas, também marcou presença. Os cruzeirenses ressaltaram a importância de se demonstrar apoio ao time neste momento. Tinha torcedores de todas as gerações e até cachorro com a camisa estrelada. O guarda municipal Wesley Lopes, 30, disse que ninguém de sua casa escapou da paixão pelo Cruzeiro. “Eu moro aqui perto e também tinha que demonstrar o meu apoio. Lá em casa a família toda é cruzeirense, até os cachorros”, disse, mostrando a cadela Shadow, de 10 meses,  que vestia a camisa do clube. O comerciante Marcelo Pereira, 27, fez questão de trazer a esposa, a sobrinha de cinco anos e até a filha Ana Beatriz, de apenas um aninho, para apoiar os jogadores, pegar autógrafos e tirar fotos. “Temos que ensinar desde cedo a paixão pelo Cruzeiro. Estamos aqui para apoiar. A torcida vai ajudar o time ser campeão”, declarou. As mulheres também marcaram presença em grande número e, além do apoio, trouxeram charme e beleza. A estudante Evelyn Soldati, 20, foi ao CT com um grupo de amigas da faculdade para mostrar que está "fechada" com a Raposa. “O time vem de uma sequência difícil, mas foi apenas uma fase ruim. Acredito que vamos nos recuperar no jogo contra o Criciúma e seguir no caminho do título. Viemos trazer vibração positiva e falar para os jogadores para focarem no título, pois as três derrotas não significaram nada”, afirmou. Evelyn ainda ressaltou a maciça presença da torcida feminina nas arquibancadas do Mineirão. “A mulher dá um brilho a mais à torcida. Antes eram somente os homens que iam aos estádios. Agora, está sendo diferente. As mulheres estão entendendo mais de futebol e indo prestigiar o clube do coração”, concluiu a estudante.

Leia tudo sobre: futebol nacionalcampeonato brasileirocruzeirosérie araposatorcida