Cruzeiro discorda da pena e anuncia que vai recorrer da decisão

Para Alexandre Mattos, clube não trabalha com a possibilidade do duelo com o Grêmio ser disputado fora do Gigante da Pampulha

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

Washington Alves/VIPCOMM
Apesar de confirmar a negociação, Alexandre Mattos ainda não a dá como certa
O Cruzeiro foi punido pelo Tribunal Superior de Justiça Desportiva (STJD), ontem, pelos incidentes no clássico contra o Atlético e levou como pena uma multa de R$ 30 mil e a perda do mando de campo de um jogo. Pela sanção, conforme o juiz que presidiu a comissão, José Perdiz, a Raposa terá que enfrentar o Grêmio, no confronto mais importante para os mineiros na fase final do campeonato, longe do Mineirão, onde tem um aproveitamento excelente. O clube estrelado discorda da condenação, e afirmou que vai entrar com dois pedidos: um pedindo um novo julgamento e outro contra a perda do mando, conforme informou o diretor de futebol Alexandre Mattos. O Departamento Jurídico tem três dias para entrar com as contestações, mas isso deve acontecer nesta sexta-feira. “Acabamos de receber o resultado do julgamento. Nós discordamos. O Cruzeiro queria a absolvição, porque entende que está bem pautado em sua defesa. Não foi uma briga da torcida do Cruzeiro. Foi uma briga de vândalos infiltrados”, declarou. O diretor revelou que o Cruzeiro não vai tolerar esse tipo de atitude nas arquibancadas e que já está processando os torcedores que causaram a confusão. “O Cruzeiro fez uma representação criminal. Isso é caso de polícia e não de um clube de futebol. O Cruzeiro tomou suas providências com a queixa-crime e está processando cada um deles”, disse. Questionado sobre onde a Raposa mandaria o duelo decisivo contra os gaúchos, caso a punição seja mantida, Mattos afirmou que o clube nem está pensando nisso – de ter que jogar fora do Gigante da Pampulha - por acreditar na inocência da agremiação. “Vamos aguardar porque temos uma esperança grande (de reverter a situação). Ainda seremos avaliados pelas pessoas do Pleno e vamos conseguir reverter essa situação. No futuro, se tiver que acontecer alguma coisa (de a pena ser mantida), vamos tomar as nossas providencias”, cogitou do dirigente. Os jogadores, que ficaram sabendo do resultado do julgamento após o treino, lamentaram a punição. “Uma pena essa punição de uma partida no Mineirão, diante da nossa torcida. A gente espera que a diretoria possa recorrer e que isso não venha a acontecer”, lamentou o centroavante Borges. O volante Henrique acredita na competência do setor jurídico do clube para reverter a situação. “O Cruzeiro tem excelentes profissionais na área jurídica e vai buscar de todas as formas para que essa partida seja mantida no Mineirão”, concluiu o jogador.