Corinthians apoia Pato e promete Brasileirão honroso

Presidente do time paulista não deixou de cobrar mais rendimento do atacante, mas ponderou que outros jogadores também erraram nas cobranças de penalidades

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

AP Photo/Andre Penner
Pato bateu pênalti com cavadinha contra o Grêmio, só que muito mal, e prejudicou o Corinthians na Copa do Brasil
Após mais de uma hora trancados no vestiário da Arena Grêmio lavando a roupa suja após a eliminação do Corinthians na Copa do Brasil, Tite, diretoria e jogadores definiram que a meta nos oito jogos finais do ano e dar força para Alexandre Pato e, ao mesmo tempo, fazer uma reta final honrosa no Brasileirão. A queda na Copa do Brasil, definida com a derrota nos pênaltis após novo empate por 0 a 0 com o Grêmio, praticamente colocou fim às ambições do time no semestre. A 10 pontos do Botafogo, o quarto colocado, o sonho de chegar à Libertadores pelo quinto ano seguido parece fazer água. Mas enquanto houver esperanças, eles prometem se empenhar. E com Pato ao lado. "Temos de fazer de tudo para encerrar o ano com dignidade, com honra às tradições e glórias do Corinthians e em respeito à torcida”, disse Mário Gobbi, presidente do Corinthians. O dirigente entrou no vestiário após a queda bufando de raiva. Se conteve e saiu dando um voto de confiança à estrela do grupo. "O Pato é jogador do Corinthians, não sei até quando vai seu contrato. Ele foi mal no pênalti, bateu mal, teve quem batesse bem e também não fez o gol. Isso é pênalti. Ele vai cumprir o contrato dele e temos de fazê-lo jogar com o potencial que tem. E ele tem potencial para jogar muito”, disse Gobbi, sem evitar uma leve cobrança. "Era para o Pato estar jogando bem mais. O fato é esse, se cobra mais de quem tem para dar mais. E ele tem um dom muito grande de jogar que ainda não conseguiu mostrar aqui no Corinthians.” Tite e os companheiros também saíram em defesa do companheiro. Mesmo alguns irritados pela cobrança pífia e com a eliminação. "Ele está arrasado igual a todo mundo. Ele queria fazer o gol. Agora é parar, pensar e jogar os últimos jogos para ganhar todos”, disse o meia Danilo, que também falhou em sua cobrança. "Cada um sabe a maneira que bate, não sou eu que tenho de julgar o Pato, não sei se treina dessa maneira a cobrança. Mas quando opta, sabe que será cobrado. No que eu puder ajudá-lo, vou ajudar”, emendou o lateral-esquerdo Fábio Santos. Outro jogador experiente do grupo, o lateral-direito Alessandro também saiu em defesa do atacante. "Pato teve a cobrança decisiva na semifinal do Paulista que colocou a gente com a possibilidade de disputar a final. Vocês podem discutir a maneira que ele cobrou, mas vale lembrar que um dia ele fez o gol. Naquela decisão eu errei e hoje não deu certo. Tínhamos é de ter força para não deixar o jogo ir para os pênaltis”, afirmou. Pato deixou o vestiário calado, visivelmente triste. Talvez tivesse entendido o peso da eliminação. "Ele não tem de pedir desculpa, é só olhar e ver o quanto está sentido”, explicou Alessandro. E Tite seguiu na mesma linha. "Todos nós, enquanto equipe, ganhamos e perdemos juntos. Tem coisas que são de vestiário. Agora é se unir e reerguer o time para o fim de semana (enfrenta o Santos no domingo)”, pregou o treinador.

Leia tudo sobre: corinthiansalexandre patoatacantepenaltitemporadamario gobbi