Casamento grego inspira Doriva

Jogador teve que ser submetido a uma cirurgia no joelho para corrigir lesão no menisco

iG Minas Gerais | Antônio Anderson |

Pedro Gontijo
O volante americano Doriva brinca com a filha Zoi, nome que em grego significa vida, e com a esposa Theodora
Em recuperação de uma cirurgia no menisco medial do joelho direito, o volante Doriva, do América, tem na esposa Theodora Zygolika e nos filhos Ioannis Ferraz e Zoi Ferraz o seus pilares para voltar aos gramados o mais rápido possível. Casados há três anos, Doriva conheceu Theodora em 2009, quando atuava pelo Skoda Xanthi, da Grécia. O início do namoro, lembra o jogador do Coelho, foi complicado por causa do idioma. “A gente se falava através do notebook utilizando o tradutor do Google. Eu escrevia em português, que era traduzido para o grego, e ela respondia escrevendo em grego, com tradução para o português. Com o tempo, aprendi o grego, mas também passamos a nos entender pelo olhar”, disse Doriva, que destaca a importância da esposa em seu processo de recuperação da contusão. “Ela é uma pessoa muita especial na minha vida. Após a cirurgia, eu estava de muleta e não podia colocar o pé no chão. A Dora sempre esteve ao meu lado e me levava a todos os lugares. Também é necessário ressaltar o quanto ela me passou confiança de que é preciso ter fé em Deus e acreditar que a recuperação vai ser boa e eu vou poder voltar a jogar futebol”, destacou o jogador. Atenta às palavras do marido, Theodora contou que ficou assustada quando soube da necessidade da cirurgia, mas que em nenhum momento deixou de ter fé na plena recuperação. “Foi a primeira vez na carreira do Doriva que ele sofreu uma lesão tão grave como essa. Mas nós conversamos e falamos que era preciso manter a cabeça erguida e sermos fortes, porque iríamos superar esse problema juntos”, ressaltou Theodora. No Brasil desde 2011, a esposa do volante americano não esconde que uma das principais dificuldades que ela passa no país é a saudade que tem da Grécia. “Já combinamos que vamos voltar à Grécia em dezembro para rever a minha família. Confesso que estou ansiosa por essa viagem”, declarou Theodora, que, apesar do pouco tempo no Brasil, já fala bem o português e se mostra admiradora da música e da comida do país. “Gosto muito do pão de queijo. Na música, como o Doriva curte pagode, o o Belo e o Thiaguinho”, disse Theodora, que aprendeu com o marido a fazer estrogonofe.gosto de cantores com Apoio. Sobre a carreira do marido, Theodora afirmou que o mais difícil é ficar sozinha em casa com as duas crianças por causa das viagens e jogos. O filho mais velho, Ioannis Ferraz, tem três anos e nasceu na Grécia. A caçula, Zoi Ferraz, mineira de Belo Horizonte, está com oito meses. “Eu compreendo porque é o trabalho dele. Eu o amo bastante e sempre vou apoiar o Doriva”, declarou a esposa, que apesar de estar há nove meses em Belo Horizonte, ainda não foi ver um jogo do marido no Independência. “Eu amo demais a Theodora. Ela é uma pessoa especial na minha vida. Hoje, não tem mais o Brasil como o meu país e a Grécia como o país dela. O que importa é que somos uma família”, disse Doriva. Família “Minha esposa e filhos são muito importantes para mim. Eles são minha inspiração para que eu possa me recuperar totalmente da contusão.” Doriva volante do América    

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave