Santander tem lucro líquido gerencial de R$ 1,407 bilhão no 3º trimestre

Os ativos totais encerraram setembro em R$ 465,408 bilhões, recuo de 0,6% em relação ao segundo trimestre e com patrimônio líquido de R$ 53,457 bilhões

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Santander Brasil apresentou lucro líquido gerencial de R$ 1,407 bilhão no terceiro trimestre de 2013, montante 6,7% menor do que o registrado no mesmo intervalo de 2012, de R$ 1,509 bilhão. O lucro líquido gerencial considera o resultado contábil com reversão das despesas com amortização dos ágios. Em relação ao segundo trimestre, o lucro líquido gerencial recuou 0,2%. O lucro líquido gerencial superou as estimativas de analistas do mercado consultados pelo Broadcast, em 11,4%. A média de oito casas consultadas (BTG Pactual, Citibank, Bank of America Merrill Lynch, Deutsche Bank, GBM Brasil, JPMorgan, Safra e UBS) indicava resultado de R$ 1,263 bilhão. O Broadcast considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%. No conceito societário, o resultado do banco foi de R$ 497 milhões, 0,7% inferior ao obtido no segundo trimestre. O banco espanhol também divulgou lucro líquido consolidado de R$ 1,350 bilhão, 9% menor do que o registrado no segundo trimestre. Os ativos totais do Santander encerraram setembro em R$ 465,408 bilhões, recuo de 0,6% em relação ao segundo trimestre. O Santander encerrou setembro com patrimônio líquido de R$ 53,457 bilhões, cifra 1,3% maior do que a registrada no segundo trimestre. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) do banco ficou em 10,6% no terceiro trimestre, 0,3 ponto porcentual inferior ao visto no segundo trimestre, de 10,9%. A carteira de crédito ampliada do banco espanhol totalizou R$ 272,790 bilhões no terceiro trimestre, aumento de 2,3% ante os três meses imediatamente anteriores. O segmento de grandes empresas foi o que mais cresceu, com alta de 5,4%. Pessoa física veio em seguida com avanço de 2,1%. Em contrapartida, o banco reduziu em 3,3% a oferta de recursos para pequenas e médias empresas em setembro ante junho, e em 0,7% o financiamento ao consumo. A filial brasileira respondeu por 24% do resultado global do Santander, mantendo o posto de mais lucrativa. Reino Unido veio em seguida, com 15%.

Leia tudo sobre: Santandereconomialucrofaturamento