Belo-horizontino está mais prático e mais exigente

Pesquisa revela que, em dez anos, preferência por lojas de bairro mais do que dobrou

iG Minas Gerais |

O belo-horizontino quer mais praticidade na hora de fazer compras, mas não abre mão de qualidade. Nos últimos dez anos, o percentual de consumidores que dão preferência para supermercados perto de casa mais do que dobrou. Em 2003, um a cada quatro clientes preferia as lojas do bairro (25,3%). Em 2013, essa fatia saltou para 64,5%. A exigência também cresceu. Há dez anos, 8,67% dos consumidores achavam o atendimento insatisfatório. Hoje, 26,7% avalia que o atendimento do pessoal nos supermercados não satisfaz as expectativas. Se o maior problema no passado era a dificuldade de informações, agora é a quantidade de caixas. Em 2003, 29,9% das pessoas achava que a pior falha era o fato de não ter funcionários para dar informações. Naquela época, a falta de caixas incomodava a 15,4%. Em 2013, 30,6% de quem frequenta supermercados aponta que o problema mais sério do setor é a pequena quantidade de caixas em funcionamento. Os dados são de uma pesquisa feita pelo Instituto Fides, a pedido da Associação Mineira de Supermercados (Amis), com 550 entrevistados. O estudo foi apresentado ontem, durante a 27ª Superminas. O levantamento aponta ainda que, na última década, o poder aquisitivo da população de Belo Horizonte melhorou. Em 2003, 9,67% dos entrevistados disse que a situação financeira tinha melhorado. Agora, subiu para 49%. (QA)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave