Líder neonazista consegue alvará de soltura após seis meses na Nelson Hungria

Donato Di Mauro ainda não deixou a penitenciária, porque a autorização ainda não chegou à unidade prisional

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

FACEBOOK / REPRODUÇÃO
Foto de Di Mauro "enforcado" catador de papel na Savassi
O jovem Antônio Donato Baudson Peret, conhecido como Donato Di Mauro, de 25 anos, pode ser liberado da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte nesta quarta-feira (23), já que um alvará de soltura foi expedito em favor do rapaz. Peret está preso desde o dia 15 de abril. Ele foi indiciado por formação de quadrilha, racismo e por divulgação do nazismo. A assessoria da Justiça Federal em Minas Gerais informou que o alvará foi expedido pela juíza da 9ª vara, Raquel Vasconcelos Alves Lima. Como o processo corre em segredo de Justiça, não foi divulgado o que a levou a essa decisão. Peret ainda não saiu da prisão, porque a autorização não chegou à unidade prisional, de acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds). Os outros dois jovens envolvidos nos crimes de racismo e formação de quadrilha, Marcus Vinícius Garcia Cunha, de 26 anos, e João Matheus Vetter de Moura, de 20 anos, já estão soltos. O primeiro foi solto no dia 7 deste mês e o outro em abril. O trio deve ser ouvido em audiência de instrução e julgamento marcada para o dia 25 de novembro. Relembre o caso A investigação do caso começou após uma foto que foi divulgada na internet, em que Antônio Donato Baudson Peret aparece agredindo um catador de papel, utilizando uma corrente para "enforcar" o homem. Na legenda, ele escreveu:  "Quer fumar 'kraquinho'? Quer? Em meio a praça pública cheia de  criança? Acho que não”, dando a entender que a vítima era usuária de drogas. Como a foto ganhou repercussão, o jovem fugiu, mas acabou sendo preso em Americana (SP). Marcus Cunha e João Matheus Moura foram detidos por equipes do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil e da 1ª Delegacia de Polícia Sul. A casa deles foi vasculhada, com autorização judicial através de três mandados de busca e apreensão.