Perto de ser julgado, Cruzeiro se vê inocente por problemas no clássico

Incidentes no clássico foram resolvidos no mesmo dia e responsáveis foram acusados, disse Gilvan

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Washington Alves/VIPCOMM
Presidente do Cruzeiro ficou satisfeito com mudanças apresentadas pela Minas Arena no retorno do Cruzeiro ao Mineirão
Cruzeiro e Atlético entraram na pauta do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e serão julgados na próxima quinta-feira pelas confusões do clássico do dia 13 de outubro, ocorrido no Independência. Torcedores celestes brigaram entre si, atiraram bombas e objetos na torcida do Galo, e os dois clubes podem ser responsabilizados pelo ocorrido. No entanto, o presidente da Raposa Gilvan Tavares alega que a equipe celeste cumpriu a lei e encontrou os culpados, portanto o STJD seria controverso se desse algum tipo de punição. “O código (Brasileiro de Justiça Desportiva) é muito claro. O artigo 213, no sexto parágrafo, diz que se os culpados forem presos e apresentados à autoridade policial, o clube não tem de ser punido. E isso aconteceu. Os envolvidos foram presos e apresentados à autoridade policial. Então, o clube não tem de pagar por isso. Se der (a punição), será um absurdo, uma punição que contradiz a norma”, afirmou o presidente.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave