Presidente do Cruzeiro dispara contra a arbitragem após derrota em Curitiba

Gilvan de Pinho Tavares reclamou da anulação do gol de Dedé e de um pênalti não marcado no final do jogo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

ESTADÃO CONTEÚDO
PR - BRASILEIRÃO/CORITIBA E CRUZEIRO - ESPORTES - O jogador Borges do Cruzeiro em lance durante a partida entre Coritiba PR e Cruzeiro MG válida pela Série A do Campeonato Brasileiro 2013, no Estádio Couto Pereira em Curitiba (PR), neste domingo (20). 11/08/2012 - Foto: JOKA MADRUGA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
O presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares ficou insatisfeito não só com a derrota do seu time para o Coritiba, nesse domingo, mas também com a arbitragem da partida. Para o mandatário celeste, o árbitro Jaílson Macedo Freitas prejudicou a Raposa quando anulou o gol de Dedé e não marcou pênalti no final da partida. Gilvan considerou uma vergonha a atuação do dono do apito e estendeu as críticas para a arbitragem brasileira, mas, além de descrever os lances em que houve equívoco do árbitro, na opinião dele, o presidente ponderou que o Cruzeiro não fez bom jogo. “O Cruzeiro não jogou bem. Não foi uma boa partida do Cruzeiro, mas esse árbitro, como de modo geral, a arbitragem brasileira está deixando muito a desejar neste ano. Esse árbitro foi uma vergonha. Ele anulou um gol legítimo do Dedé, deixou de dar outro pênalti para o Cruzeiro em que o Gil cortou a bola com a mão na cara do árbitro. Ele é juiz caseiro, apita pela conveniência do time da casa. É uma vergonha a arbitragem brasileira este ano”, disse à Rádio Itatiaia. Embora não tenha marcado o pênalti reclamado por Gilvan, Jaílson Macedo Freitas assinalou falta dentro da área para o Cruzeiro no segundo tempo, quando Willian caiu em lance duvidoso.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposagilvanpresidentearbitragem